Sociedade

Zero Desperdício já recuperou 277 mil refeições

Em menos de um ano, o movimento Zero Desperdício já recuperou o equivalente a 277.600 refeições em Portugal. O formato simples deste modelo de recuperação de alimentos garante o sucesso do projeto que já captou a atenção da Food and Agriculture Organ
Versão para impressão
Em menos de um ano, o movimento Zero Desperdício já recuperou o equivalente a 277.600 refeições em Portugal. O formato simples deste modelo de recuperação de alimentos garante o sucesso do projeto que já captou a atenção da Food and Agriculture Organization (FAO).

por Patrícia Maia


Bastou um simples passo – conseguir a reinterpretação da lei que impedia a recuperação de refeições já preparadas – para acabar com o desperdício de milhares de quilos de alimentos em Portugal. Com a ajuda da ASAE e da empresa de segurança alimentar ALICONTROL, a associação Dariacordar conseguiu definir os 'procedimentos e as boas práticas' que garantem a segurança destas refeições. 
 
A partir daí, nasceu o Movimento Zero Desperdício com uma missão simples: contactar e por em contacto as entidades interessadas, ou seja, as diversas entidades de apoio social e as empresas ou entidades dadoras. Assim se criou uma imensa rede que distribui e reaproveita refeições que, anteriormente, iam parar ao lixo.

Image and video hosting by TinyPic

[Assinatura de parceria entre Zero Desperdício e Colégio Militar]

Neste momento, a área de atuação abrange Loures, Sintra, Cascais, e seis freguesias de Lisboa. Nestas zonas, em menos de um ano, já foram recuperadas 277.600 refeições.

Quanto aos dadores, são já cerca de cem, entre restaurantes, hospitais, hotéis, escolas e até entidades governamentais como a Assembleia da República ou o Banco de Portugal. Um dos parceiros mais recentes é o Colégio Militar, que já está a ceder refeições para a zona de Benfica.

Chegar a todo o país e além fronteiras
 

O principal objetivo para 2013 é ampliar o movimento a todo o país e, quem sabe, levar o conceito para fora de Portugal: “Fomos recentemente contactados pela FAO que já conhece o nosso trabalho e eles mostraram-se interessados em exportar a ideia para outros países”, conta ao Boas Notícias o impulsionador do projeto, António Costa Pereira

O movimento está também “a trabalhar com algumas universidades para tentar uniformizar o modelo Zero Desperdício de maneira a criar um manual que poderá ser usado em qualquer zona do país”, acrescenta o responsável. Será uma maneira de ampliar o movimento que poderá oferecer, se necessário, formação na área da segurança alimentar graças à colaboração que mantém com a ASEA e a ALICONTROL.

O sucesso e o crescimento expoencial da iniciativa levou a organização da TEDxCascais a convidar António Costa Pereira, que também é piloto de linha aérea, como orador e a revista Lux a nomeá-lo Personalidade Masculina do Ano na área da Solidariedade. São reconhecimentos que o mentor do movimento recebe com satisfação, “sobretudo porque ajudam a divulgar esta causa na qual estão a trabalhar muitos cidadãos a título probono”. 

O voluntariado é um dos pontos assentes do movimento Zero Desperdício que pretende continuar o seu trabalho com base em parcerias e apoios: “Conseguimos montar um backoffice que está a ser gerido com a ajuda de dois funcionários dos CTT, a Santa Casa da Misericórdia cedeu-nos um espaço e os computadores fomos nós que recebemos no programa Preço Certo”. 

Selo Zero Desperdício é sinónimo de prestígio

“Não queremos envolver dinheiro porque a ideia não é montar um negócio mas sim repensar todo um sistema. Isso deixa-nos mais dependentes da boa vontade dos outros mas temos conseguido importantes conquistas, até porque o movimento já é conhecido e há cada vez mais entidades que se querem associar”, diz o presidente da Dariacordar.

Image and video hosting by TinyPicFoi o caso da Liga Europeia de Futebol que fez, recentemente, um evento no hotel Sheraton e “contactaram o movimento porque queriam que aquele fosse um evento Zero Desperdício”.
 

António Costa Pereira (na foto ao lado) faz questão de sublinhar que este “não é um movimento que assenta na caridade, mas sim um conceito que traz vantagens sociais, económicas e ambientais”.

Numa altura em que o Parlamento Europeu quer nomear 2014 o Ano Contra o Desperdício Alimentar, estas são soluções urgentes e que colocam, no centro da discussão, Portugal como um exemplo de pioneirismo e boas práticas.

Clique AQUI para visitar o Facebook do movimento atualizado com as últimas novidades.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close