Em Destaque Sociedade

Como trabalha o Pai Natal em Portugal?

Armando Veloso, que desempenha a função de “Pai Natal”, explica que é necessário ter “muita imaginação”, enquanto David Ferreira, também “Pai Natal”, realça a importância do disfarce.
Versão para impressão
Na Fixando, plataforma portuguesa para a contratação de serviços locais, existe um serviço inusitado que não tem qualquer pedido de profissionais até chegar ao mês de novembro, e só atinge um número expressivo no último mês do ano: o “Pai Natal”.

“Tenho dois tipos de clientes”, explica Armando Veloso, 28 anos, natural do Porto. “Em novembro aparecem as pessoas mais preocupadas, que reservam logo o dia que desejam, e agora surgem os clientes que marcam em cima da hora”. Os dados da Fixando confirmam que 70% dos pedidos para a categoria “Pai Natal” foram efetuados em dezembro, sendo que os restantes 30% foram realizados no mês de novembro.

Em espaços públicos ou particulares, desde centros comerciais a escolas, Armando Veloso é um dos profissionais que aproveita a época natalícia para se transformar no Pai Natal, dividindo-se no resto do ano entre as personagens de palhaço, DJ, ou mágico, sobretudo em aniversários e casamentos. “É fundamental ter uma imaginação muito fértil”, indica Armando Veloso sobre o que é necessário para vestir o fato vermelho e colocar a barba branca. “Os pequenos fazem todo tipo de perguntas, e temos de estar psicologicamente preparados para responder a tudo”.

“Este trabalho depende muito do tipo de público”, analisa David Ferreira, 37 anos, natural de Coimbra, há mais de uma década a fazer de Pai Natal. Em relação ao habitual público infantil, David indica que basta “conseguir fazê-los se envolverem na magia da conversa em dois a três minutos”, e com o público adulto, normalmente dentro de empresas, “requer uma interação mais à base da comédia, com algumas magias pelo meio”.

O primeiro serviço de Armando Veloso como Pai Natal foi num centro comercial, espaço de trabalho mais comum para grande parte dos profissionais contratados para desempenhar esta personagem. Por norma, é o Pai Natal que deve fornecer a própria roupa e os adereços, fundamentais para compor o disfarce. “Uso fatos profissionais completos, desde a barriga falsa ao saco, porque as crianças prestam atenção a todos os detalhes”, explica David Ferreira. “Mas o mais importante no disfarce é ao nível da cara, ou seja, a barba, os óculos e capuz”.

“O maior desafio é não sabermos se podemos dizer às crianças se vão receber aquilo que estão a pedir, porque não conhecemos a situação financeira da família”, reflete Armando Veloso, acrescentando que apesar de haver sempre um ou outro “chico esperto”, fica sempre contagiado pela “alegria das crianças com a presença do Pai Natal”.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close