Consultório Médico

Relembrar as mais valias do aleitamento materno.

O leite materno pode e deve continuar a figurar da alimentação do bebé até mais tarde, e de acordo com a vontade da família.
Versão para impressão

 

Atualmente, apesar da evolução dos leites de fórmula, continuamos a ter muitos motivos para incentivar o aleitamento materno exclusivo nos primeiros 4 a 6 meses de vida. Neste intervalo deve iniciar-se a introdução de novos alimentos na dieta, mantendo sempre que possível o leite materno como alimento predominante até aos 6 meses.

O leite materno pode e deve continuar a figurar da alimentação do bebé até mais tarde, e de acordo com a vontade da família.

O leite materno é o alimento natural do o bebé. A sua composição é ideal para satisfazer as suas necessidades.

Se a mãe garantir uma dieta equilibrada, o leite terá todos os nutrientes importantes para o crescimento e desenvolvimento normal do seu filho.

Não tem custos, não envolve cuidados especiais com a higiene, tem a temperatura ótima e está disponível sempre que o bebé deseja. Para além dos nutrientes contém muitos anticorpos e substâncias anti-inflamatórias que diminuem o risco de várias doenças.

Por exemplo, o risco de otite reduz para metade e o risco de gastroenterite reduz de um terço a metade, doenças que tanto levam as famílias aos serviços de urgência.

Também o risco de  asma e eczema atópico se reduz em cerca de um terço, enquanto o da obesidade em 10%.

Para além disso, o aleitamento materno promove o vinculo afetivo entre a mãe e o bebé, e o desenvolvimento cognitivo deste, manifestando-se na adolescência e idade adulta uma tendência de superioridade do QI em 2-3 pontos, fatores que se podem relacionar com níveis de educação e remunerações superiores que se demonstrou nesta população.

Também existem benefícios para a mãe. O útero recupera mais rapidamente e há uma maior facilidade em perder o peso adquirido durante a gravidez. O risco de cancro da mama também reduz ligeiramente.

Podem surgir algumas dificuldades no início, mas é possível resolver a maioria das situações com o correto aconselhamento (serviços de saúde, grupos de apoio).

O pai tem também um papel importante, podendo ser determinante no sucesso da amamentação e na sua duração.

Se a amamentação exclusiva não for possível, tente complementar parcialmente com o seu leite.  O bebé deve mamar sempre que quiser (em média 10-12 vezes por dia nas primeiras semanas).

Precisamos uma cultura que incentive e apoie a natalidade e o aleitamento materno.

No contexto da nossa cultura cristã, e desta época que se assinala, é interessante e inspirador relembrar a curiosa iconografia que representa as várias etapas da Maternidade de Maria, nomeadamente a imagem da Nossa Senhora do Leite, a quem as mulheres com dificuldade de engravidar ou de amamentação recorriam e ofereciam a sua devoção.

 

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close