Saúde

Vinho tinto e maracujá contra a obesidade

O piceatannol, componente encontrado no vinho tinto, nas frutas vermelhas como uvas e amoras e no maracujá, bloqueia o processo celular que permite o desenvolvimento de células gordas.
Versão para impressão

De acordo com um novo estudo, o piceatannol, um composto encontrado no vinho tinto e em algumas frutas como as uvas ou o maracujá, bloqueia o processo celular que conduz ao desenvolvimento de células gordas.

O estudo, publicado este mês no Journal of Biological Chemistry, é da autoria de Kee-Hong Kim, investigador da Universidade de Purdue (Indiana, Estados Unidos) abre portas para um novo método do controlo da obesidade.

De acordo com o estudo de Kee-Hong Kim, professor assistente de Ciências Alimentares, o piceatannol – presente por exemplo no vinho tinto, nas uvas, nas amoras e, sobretudo, no maracujá – bloqueia o processo de crescimento de células gordas, impedindo a obesidade.

“Através da presença do piceatannol o desenvolvimento dos genes da obesidade – um processo que é denominado como adipogenesis – é alterado”, explica Kim, o investigador responsavel no site da universidade de Purdue.


 

É através do processo de adipogenesis que as células gordas prematuras, denominadas pre-adipócitos, passam por vários estados transformando-se em células adipócitas, que formam a massa gorda.

O investigador descobriu que o piceatannol entra em ação no início da formação da massa gorda, uma vez que bloqueia o padrão de crescimento da células gordas prematuras, impedindo e atrasando a formação de gordura no corpo humano. 

Quando o corpo humano ingere alimentos, essas calorias têm de ser convertidas em energia ou transformam-se em gordura, uma situação que depende de vários fatores.

Nas experiências de laboratório, Kim e a sua equipa recriaram este processo e, recorrendo ao piceatannol, preveniram a transformação das calorias em gordura. Em pequenas doses, este composto reduziu a formação de células gordas em 20 por cento. Com doses maiores, a formação de gordura baixou 80 por cento.

 
No entanto, o investigador alerta que, antes de comercializar este composto como uma solução contra a obesidade, será necessário realizar mais estudos, em animais e humanos. 

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close