Saúde

VIH: Primeiro caso de cura reportado

Um grupo de investigadores alemães anunciou ter curado um homem da infeção por VIH de que sofria através de um transplante de células estaminais. Os médicos advertem, porém, que este caso tem contornos especiais pelo que o tratamento ainda não pode s
Versão para impressão
Um grupo de investigadores alemães anunciou ter curado um homem da infeção por VIH de que sofria através de um transplante de células estaminais. Os médicos advertem, porém, que este caso tem contornos especiais pelo que o tratamento ainda não pode ser utilizado noutros portadores da doença.

O caso, publicado na semana passada no jornal Blood e divulgado agora pela CNN, relata o tratamento de Ray Brown, um seropositivo norte-americano de 40 anos, que também sofria de uma forma aguda de leucemia.

Para curar a leucemia, os médicos alemães anularam o seu sistema imunitário com doses altíssimas de quimioterapia e radiação, antes de o submeter a um transplante de células estaminais sanguíneas.

Na altura do transplante, fevereiro de 2007, Ray deixou de tomar a medicação contra o VIH. Treze meses mais tarde, depois de uma recidiva da leucemia, submeteu-se a uma nova ronda de tratamentos, a que se seguiu mais um transplante de células, provenientes do mesmo dador.

No entanto, a anulação do vírus da SIDA só terá sido conseguida devido a uma circunstância muito especial: as células estaminais do dador continham uma rara mutação genética que as tornavam naturalmente resistentes à infeção por VIH.

Decorridos três anos e meio, sem medicação anti-retroviral, o homem não sofre nem de leucemia nem de infeção por VIH e o seu sistema imunitário parece funcionar com toda a normalidade.

Os transplantes de células-tronco sanguíneas, extraídas da medula óssea, são realizados para tratar doentes de cancro e os riscos que representam para as pessoas saudáveis são desconhecidos.

“Para receber as células doadas, ele teve de ficar sem sistema imunitário”, explica Michael Saag, professor de medicina e diretor do Centro para a SIDA de Birmingham, à CNN. A mortalidade desse tipo de operações ou de suas complicações podem ser de 5% ou mais, acrescenta Saag.

“Não podemos aplicar este método particular nos indivíduos saudáveis, pois o risco é muito alto”, especialmente quando os remédios podem manter o HIV controlado na maioria dos casos, conclui.

[Notícia sugerida pelo utilizador Carlos Ferreira]

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close