Mundo

Viagens turísticas à Lua vão ser possíveis em 2020

A partir de 2020, os terráqueos curiosos (e que tenham disponibilidade para "abrir os cordões à bolsa") poderão fazer viagens turísticas... à Lua. Esta experiência lunar será possibilitada por um grupo privado de empresas norte-americanas.
Versão para impressão
A partir de 2020, os terráqueos curiosos (e que tenham disponibilidade para “abrir os cordões à bolsa”) poderão fazer viagens turísticas… à Lua. Esta experiência lunar será possibilitada por um grupo privado de empresas norte-americanas, que pretende vender viagens para duas pessoas ao satélite natural da Terra pela “módica” quantia de 700 milhões de dólares.
 
O grupo Golden Spike, que integra vários ex-veteranos da agência espacial norte-americana NASA, vai, portanto, proporcionar estas viagens – para dois “turistas” cada – ao mesmo preço das missões não-tripuladas à Lua.
 
Em declarações ao portal Space, Alan Stern, presidente e diretor-executivo da Godel Spike, explica que estas vão ser vendidas “a nações, empresas e pessoas individuais”. “Podem por-se na fila – e acredito que a fila vai ser grande”, antevê o responsável. Os líderes do grupo ainda não escolheram em que veículo ou cápsula espacial serão feitas as viagens, sendo que o meio de transporte deverá ser selecionado até 2014. 
 
Para manter o preço o mais “económico” possível, dentro dos limites que uma expedição do tipo acarreta, a Golden Spike vai utilizar foguetes ou outros veículos espaciais que já existam ou já estejam em desenvolvimento. Segundo Stern, a companhia irá, no entanto, ter os seus próprios fatos lunares.
 
Cada expedição terá um mínimo de 36 horas de estadia na Lua – uma duração mais longa do que a soma das duas missões Apolo 11 e 12 – e o pacote oferecido inclui dois passeios em solo lunar, fornecimento de equipamento para realizar experiências e filmagens na paisagem lunar, autorização para recolher até 50kg de solo local e até umas “paragens” na órbita terrestre”. 
 
Estas expedições dirigem-se, particularmente, aos países que não têm as suas próprias agências espaciais ou que não têm meios financeiros para enviar pessoas para a Lua de forma independente, bem como a organizações científicas e pessoas em nome individual que queiram fazer a viagem das suas vidas.
 
“Falámos com agências espaciais de países asiáticos e europeus e encontrámos um verdadeiro interesse [neste tipo de viagem]”, conclui Stern. 

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Mais recentes

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close