Em Destaque Saúde

Uso inadequado e resistência a antimicrobianos

O primeiro passo a tomar é a consciencialização: é importante desmistificar, junto da população, que os antibióticos apenas tratam, e por vezes previnem, infeções bacterianas.
Versão para impressão

 

por Ernestina Reis, Internista e Membro da SPMI

Os antimicrobianos são medicamentos que têm como finalidade tratar ou prevenir infeções causadas por microrganismos, eliminando-os ou impedindo que estes se multipliquem.

Uma das grandes questões que a classe médica tem vindo a debater ao longo dos anos é o uso excessivo de antimicrobianos e a falta de consciencialização da população para os seus efeitos na saúde.

Quanto mais elevado for o seu consumo, maior é a probabilidade de os microrganismos desenvolverem mecanismos de resistência ao fármaco que, inicialmente, os combatia. O crescente aumento de bactérias multirresistentes é uma realidade que requer uma ação conjunta dos profissionais de saúde, instituições governamentais e sociedade.

A Organização Mundial de Saúde estima que já ocorram, a nível global, cerca de 700 mil mortes causadas por bactérias multirresistentes, um número que a mesma entidade prevê que aumente para os 10 milhões até 2050.

O primeiro passo a tomar é a consciencialização: é importante desmistificar, junto da população, que os antibióticos apenas tratam, e por vezes previnem, infeções bacterianas. Jamais deverão ser administrados em casos de infeções causadas por vírus, como gripes ou constipações. A acrescentar a isto, convém destacar que este tipo de medicamentos só deve ser usado quando for prescrito por um médico.

Contudo, a consciencialização deve ser igualmente feita junto dos profissionais de saúde, uma vez que também se verifica um consumo excessivo a nível dos serviços de saúde, associando a elevada prescrição a uma duração prolongada da terapêutica antimicrobiana.

O Programa de Apoio à Prescrição Antimicrobiana (PAPA) visa orientar, uniformizar, verificar e validar a antibioterapia, tendo como meta final preservar a sua eficácia e o melhor tratamento do doente.

Para uma antibioterapia correta, o médico deve refletir, num primeiro momento, sobre qual a origem da infeção, qual o foco mais provável e quais os fatores modificadores ou de risco para as resistências.

O tratamento da infeção grave exige um equilíbrio entre o benefício de uma antibioterapia empírica agressiva, que implica o recurso a antibioterapia de largo espectro, e o desenvolvimento de microrganismos resistentes.

É obrigatória, entre 48 a 72 horas após o início da terapêutica, uma análise da resposta clínica e dos resultados dos estudos microbiológicos, devendo ser revista a estratégia inicial.

Há, inclusive, situações que implicam o ajuste da dose, como os casos de insuficiência renal, insuficiência hepática e obesidade mórbida. A sua evolução deve ser vigiada e a dose reajustada, para prevenir o subtratamento ou toxicidade.

São normas básicas da antibioterapia, como as referidas, que travam o desenvolvimento de microrganismos resistentes.

Os problemas relacionados com a prevenção e controlo da infeção estão intrinsecamente relacionados com o consumo de antimicriobianos e a emergência e propagação de resistências.

É fundamental a implementação de boas práticas de prevenção e controlo da infeção, como a higienização das mãos, o rastreio e isolamento de doentes portadores / infetados por microrganismos multirresistentes.

O PAPA e a prevenção e controlo da infeção têm que manter um trabalho de simbiose para frenar o panorama sombrio da resistência antimicrobiana.

De forma a prevenir os erros na prescrição antimicrobiana, que permanecem ainda como um fator crucial na seleção e aumento das resistências de microrganismos, é indiscutível a necessidade de apostar na constante atualização de conhecimentos e práticas dos profissionais de saúde em Portugal, um trabalho no qual a Sociedade Portuguesa de Medicina Interna tem investido, juntamente com os seus núcleos.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close