Inovação e Tecnologia

UPorto aposta em ferramenta que deteta plágio

O Turnitin, ferramenta digital de prevenção de plágio, já está disponível na plataforma do Moodle da Universidade do Porto.
Versão para impressão
O Turnitin, ferramenta digital de prevenção de plágio, é a grande novidade da Universidade do Porto. Esta ferramenta, que permite detetar material reproduzido, apoia-se em bases de dados internacionais e já está disponível na plataforma do Moodle da UP.
 
Isabel Martins, responsável do departamento de Novas Tecnologias da UP, disse à LUSA que esta ferramenta “é um ‘software’ de deteção de originalidade de trabalhos académicos”, que pode ser integrada na plataforma Moodle, utilizada por várias instituições portuguesas.
 
O Turnitin visa essencialmente alertar e consciencializar acerca dos riscos associados a esta prática, não tendo como objetivo ser punitiva, mas antes que seja utilizada no âmbito formativo, segundo a responsável do departamento de Novas Tecnologias da UP.
 
Isabel Martins explica à Lusa que “os professores devem disponibilizar o trabalho nesse formato aos estudantes, para que eles possam submeter os seus trabalhos e, de uma forma formativa, irem avaliando e comparando com bases de dados já existentes para verificarem se há plágio nos trabalhos que estão a submeter para que [os alunos] possam reformular”.
 
Para utilizar o Turnitin, o professor terá de aprovar a aplicação do software na unidade curricular que leciona, na plataforma Moodle da UP. Só então a ferramenta estará disponível e os estudantes poderão rever rigorosamente os conteúdos dos seus trabalhos, que serão comparados com milhões de páginas web e diversas bases de dados de referência.

A partir daí, é gerado um relatório com a análise de originalidade e risco de plágio, permitindo a alteração dos textos dos estudantes em caso de alguma irregularidade detetada.

 
A ferramenta já foi experimentada pela UP durante um mês, seguida duma demonstração por um responsável do programa. Depois de avaliados os pontos a favor e contra, o Turnitin foi licenciada por um ano “para ver qual será a reação da comunidade académica”, explicou a responsável do departamento de Novas Tecnologias.
 
Isabel Martins afirmou ainda que conhece apenas escolas de gestão que utilizam o programa e não quaisquer outras universidades em Portugal, facto não esclarecido pela empresa responsável, devido ao acordo de confidencialidade assinado.
 
A sessão de divulgação do programa fica assim marcada já para amanhã de manhã na reitoria da UP e a entrada é livre.

[Notícia sugerida por Patrícia Guedes]

Comentários

comentários

Etiquetas

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close