Inovação e Tecnologia

UMinho produz roupa inteligente que reage ao som

À primeira vista podem parecer roupas normais. Mas este casaco e este vestido estão equipados com LEDs que reagem ao som. O vestido já foi utilizado numa performance artística e o impermeável testado em vários locais de Guimarães, sensibilizando os c
Versão para impressão
À primeira vista podem parecer roupas normais. Mas este casaco e este vestido estão equipados com LEDs que reagem ao som. O vestido já foi utilizado numa performance artística e o impermeável testado em vários locais de Guimarães, sensibilizando os cidadãos para o excesso de ruído.
 
O casaco “Noise” e o vestido “Hertz” foram concebidos no âmbito do mestrado em Design e Marketing, após um desafio lançado aos estudantes que visava a criação de peças de vestuário interativas, conjugando design, eletrónica e têxtil. 
 
Com estes projetos foram aperfeiçoadas técnicas de integração de componentes eletrónicos em roupa, realça o investigador Hélder Carvalho, do Centro de Ciência e Tecnologia Têxtil da UMinho. 

Por exemplo, no casaco de poliéster incorporou-se um módulo de deteção de ruído, um microprocessador e fitas de LEDs, programando-o para reagir às alterações sonoras com cores definidas. O casaco ilumina-se de branco quando está em espaços silenciosos, de azul ou verde perante ruídos moderados e fica vermelho e a piscar intensamente face a sons elevados.

O casaco “Noise” foi testado desde ruas agitadas a praças mais calmas, passando inclusivamente por um bar conhecido pela sua música rock. Com este passeio, procurou-se avaliar a interação entre o som, a luz e o movimento, assim como a reação dos transeuntes perante a representação do som.

“Esta ação leva as pessoas a refletir sobre a poluição sonora, um dos principais fatores relacionados com a degradação do meio urbano, com implicações para a saúde pública”, realça Hélder Carvalho. 
 

A ideia de materializar o ruído nasce da premissa de que “é mais difícil ignorar aquilo que se vê do que aquilo que se ouve”. “Abstraímos-nos facilmente dos sons que nos envolvem, mas dificilmente nos desligamos de imagens que nos rodeiam”, salienta Isabel Cabral, que monitorizou o processo criativo e de design.

 
Vestido interativo estreado por bailarina
 
Já o vestido “Hertz” foi concebido numa perspetiva mais artística, com o objetivo de explorar a relação entre o corpo, o ruído, a tecnologia e a moda, em diálogo com a dança como forma de interpretar, através da intensidade do som, os movimentos da bailarina. 

A engenharia do têxtil interativo estruturou-se numa peça para teatro, a qual se reveste com recursos tecnológicos no seu interior, “propondo um manifesto de visualidade artística e encenando o mapeamento das zonas de vibração do corpo em detrimento da frequência acústica sonora”. 

A idealização dos projetos esteve a cargo dos estudantes André Paiva e Meire Santos, sob alçada da designer Isabel Cabral e dos professores Hélder Carvalho e André Catarino.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close