Saúde

UMinho desenvolve gel capaz de tratar feridas crónicas

Uma equipa de investigadores do Grupo de Biotecnologia de Bacteriófagos do Centro de Engenharia Biológica da Universidade do Minho está a desenvolver um produto eficaz no tratamento rápido das feridas crónicas.
Versão para impressão
Uma equipa de investigadores do Grupo de Biotecnologia de Bacteriófagos do Centro de Engenharia Biológica da Universidade do Minho está a desenvolver um produto eficaz no tratamento rápido das feridas crónicas. O mesmo tem por base um gel de aplicação tópica e vai eliminar 90% das bactérias infecciosas. 
 
No site da instituição, Joana Azeredo, uma dos quatro investigadores envolvidos na investigação, fala de uma capacidade de atuação em poucos minutos e de uma elevada taxa de eficácia sobre aquelas “bactérias que são resistentes aos atuais fármacos”, num produto “muito menos agressivo” e livre de níveis tóxicos.
 
O objetivo será, no futuro, disponibilizar um gel antibacteriano à base de proteínas, não tóxico, capaz de eliminar 90% das bactérias colonizadas em feridas crónicas que afectam uma grande quantidade de pessoas, nomeadamente grupos específicos como idosos, diabéticos e obesos.
 
Os autores acrescentam que, atualmente, o mercado tem diversos produtos disponíveis, nomeadamente no âmbito dos antibióticos, mas “que esses têm perdido eficácia junto de bactérias resistentes, para além de terem um início de actuação que demora algumas horas”.
 
Antes de avançar para o processo de certificação do produto pela autoridade norte-americana Food and Drug Administration (FDA), que irá aprovar ou não a colocação do produto no mercado, a fórmula desenvolvida pelos investigadores portugueses vai ser sujeita a vários testes em laboratório. Depois de validado nesta fase, o produto avança ainda para testes de toxicologia com pessoas saudáveis, passando só depois ao processo de licenciamento.
 
Os investigadores reconhecem, no entanto, que “há ainda um longo percurso a fazer, pois um processo FDA dura, normalmente, uns dez anos até ao produto chegar ao mercado”, principalmente no que diz respeito à medicina humana.

Notícia sugerida por Elsa Fonseca

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close