Saúde

Um abraço pode ajudá-lo a proteger-se da gripe

Se uma maçã traz saúde e alegria, o mesmo pode dizer-se de um abraço. É o que garante um novo estudo da Universidade de Carnegie Mellon, nos EUA, que revela que os abraços são uma arma poderosa para proteger a saúde dos mais "stressados".
Versão para impressão
Se uma maçã traz saúde e alegria, o mesmo pode dizer-se de um abraço. É o que garante um novo estudo da Universidade de Carnegie Mellon, nos EUA, que revela que os abraços são uma arma poderosa para proteger a saúde dos mais “stressados”, prevenindo doenças como a gripe. 
 
Os investigadores, coordenados por Sheldon Cohen, professor de psicologia daquela universidade, decidiram avaliar o potencial dos abraços como forma de apoio social, tendo descoberto que mais abraços oferecem uma maior proteção contra o aumento da suscetibilidade às infeções que se faz sentir em indivíduos em situações difíceis e geradoras de ansiedade.
 
O estudo, cujos resultados foram publicados na revista científica Psychological Science, debruçou-se sobre o abraço por se tratar, tradicionalmente, de um indicador de uma relação íntima e próxima com outra pessoa, explica um comunicado divulgado esta quarta-feira pela universidade norte-americana.
 
Cohen e os colegas avaliaram 404 adultos saudáveis através de um questionário que procurou apurar em que medida se sentiam apoiados emocionalmente, qual a frequência dos conflitos interpessoais com que se debatiam e qual a regularidade dos abraços no seu dia-a-dia.

Os voluntários foram, depois, expostos intencionalmente ao vírus da gripe e monitorizados em quarentena para análise da seriedade da infeção e dos sinais de doença.
 

“Sabemos que o organismo das pessoas que estão em situação de conflito com os outros” e, consequentemente, de fragilidade emocional, “tem menos capacidade de combater o vírus da gripe”, afirma Cohen, que acrescenta que um maior apoio em termos sociais tende a estar, também, associado à prevenção dos estados de stress que conduzem à depressão ou à ansiedade.
 
Os resultados do estudo mostraram que a sensação de apoio emocional exterior tida pelos voluntários reduziu o risco de infeção, sendo os abraços responsáveis por um terço do efeito protetor. Entre os pacientes infetados, uma maior sensação de apoio e um maior número de abraços traduziram-se em gripes com sintomas menos severos. 
 
“Estas conclusões sugerem que ser abraçado por uma pessoa em quem se confia pode ser um meio eficaz de dar apoio [aos outros] e que aumentar a frequência dos abraços pode ser uma forma eficiente de reduzir oos efeitos devastadores do stress”, defende Cohen.
 
Segundo o psicólogo, o efeito protetor dos abraços “pode dever-se ao contacto físico propriamente dito ou ao facto de os abraços serem, socialmente, considerados um indicador de apoio e intimidade”.

Porém, independentemente da justificação, é facto que “quem recebe mais abraços está mais protegido contra as infeções”, finaliza.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close