Saúde

UE aprova primeiro tratamento para a mielofibrose

A União Europeia (UE) acaba de aprovar o primeiro tratamento para a mielofibrose, uma doença crónica e debilitante causada por uma acumulação de células malignas na medula óssea e que afeta entre 500 a 1.500 pessoas em Portugal.
Versão para impressão
A União Europeia (UE) acaba de aprovar o primeiro tratamento para a mielofibrose, uma doença crónica e debilitante causada por uma acumulação de células malignas na medula óssea e que afeta entre 500 a 1.500 pessoas em Portugal.
 
Em comunicado, a Associação de Pacientes com Mielofibrose em Portugal congratulou-se com a aprovação europeia desta primeira terapia para a patologia, que aumenta a esperança para todos os doentes do País.
 
“A mielofibrose é a pior das doenças mieloproliferativas e é tão debilitante quanto fatal”, alerta Sónia Chamberlain, presidente da Associação de Pacientes com Mielofibrose em Portugal (APMP).
 
De acordo com a dirigente, “os doentes com mielofibrose não tinham qualquer terapêutica direcionada para a patologia”, pelo que esta aprovação “trouxe esperança para todos os doentes em Portugal”. “Esperemos brevemente ter à disposição uma terapêutica que nos permitirá viver e não somente sobreviver”, confessa Chamberlain. 
 
A mielofibrose é motivada por uma acumulação de células malignas que dão origem a fibrose na medula óssea, limitando a produção de sangue e, consequentemente, causando anemia. Devido a esta limitação, o baço, bem como outros órgãos, assume o lugar de produtor de células, o que o faz sofrer um aumento de dimensões significativo.
 
Os doentes têm, portanto, “uma má qualidade de vida, com fadiga, perda de peso, dores abdominais, suores nocturnos, e dores ósseas”, explica a presidente da APMP, acrescentando que “normalmente, o tempo de vida [pós-diagnóstico] é de cinco a sete anos, mas, em cerca de 20% dos casos, a doença transforma-se em leucemia mielóide aguda”.
 
A maior parte dos pacientes têm entre os 60 e os 70 anos e esta é uma patologia rara, que afeta cerca de duas em cada 100.000 pessoas. Estima-se que todos os anos sejam diagnosticados 50 novos casos em Portugal.
 
De salientar que, no nosso país, há já uma população alargada de doentes a beneficiar desta terapêutica em resultado de um ensaio clínico que está a decorrer e que tem como objetivo a recolha de dados adicionais de segurança.

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close