Saúde

Tuberculose: Teste português mais rápido e barato

Dois investigadores portugueses descobriram um novo teste para diagnóstico da tuberculose que se distingue por ser mais rápido e mais barato do que os convencionais.
Versão para impressão
Dois investigadores portugueses descobriram um novo teste para diagnóstico da tuberculose que se distingue por ser mais rápido e mais barato do que os convencionais. A inovação utiliza um sistema de nanotecnologia para fazer um diagnóstico molecular, identificar a origem da infeção e apurar se tem padrão de resistência.
 
O estudo desenvolvido por Pedro Viana Baptista, do departamento de Ciências da Vida da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Nova e Miguel Viveiros Bettencourt, do Instituto de Higiene e Medicina Tropical, baseia-se num sistema que deteta o agente etiológico da tuberculose e as mutações mais frequentemente implicadas na resistência a antibióticos.
 
Pedro Baptista explicou à agência Lusa que “dentro das problemáticas da tuberculose, um dos principais fatores de combate é a identificação da infeção”, sobretudo porque as técnicas são demoradas ou muito caras e a incidência da doença é maior em nações com poucos recursos económicos.Além disso, segundo o cientista, o problema “tem ganho mecanismos de resistência”, o que acrescenta dificuldades adicionais à sua deteção. 
 
O trabalho dos portugueses, institulado “Nano TB Nanodiagnostics for XDRT at a point-of-need”, surge, portanto, como uma alternativa. “Utilizam-se nanopartículas de ouro, que ficam estáveis e apresentam uma coloração vermelho rubi quando detetam a presença de DNA do microrganismo que causa a tuberculose e sequências associadas à resistência a antibióticos”, esclarece Pedro Baptista, salientando que, na ausência do microrganismo, as nanopartículas não ficam estáveis e, juntando-lhes sal, adquirem uma tonalidade azul.

Técnica é 10 vezes mais barata do que as atuais
 
Uma vez que o teste exige apenas pequenas quantidades, salienta Pedro Baptista, este modelo de deteção – que já funciona e está em fase de validação – permite cortar no preço sendo que, tendo em conta apenas o cálculo do custo direto, sem margens de lucro, a técnica fica 10 vezes mais barata do que as utilizadas atualmente.
 
Após a validação do modelo, os investigadores esperam transpô-lo do laboratório para as regiões mais dizimadas pela doença. “Pode ser usado descentralizadamente, em hospitais de campanha, independentemente de todas as tecnologias”, explicou o especialista, que comparou a sua simplicidade à de um teste de gravidez comprado na farmácia.
 
Pedro Baptista adiantou, ainda, que algumas empresas nacionais e consórcios europeus têm manifestado interesse na transferência de tecnologia do protótipo.
 
De salientar que o estudo dos dois portugueses recebe, esta sexta-feira, o Prémio de Mérito Científico, entregue por uma entidade bancária, numa cerimónia que terá lugar na reitoria da Universidade Nova e que contará com a presença de Jorge Sampaio, enviado do secretário-geral das Nações Unidas para a tuberculose, e do diretor-geral da saúde, Francisco George. 

[Notícia sugerida por Maria Manuela Mendes]

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close