Saúde

Tuberculose: Exposição ao sol ajuda a recuperar

Um estudo britânico revelou que, quando aliadas à toma de antibióticos, as altas doses de vitamina D produzidas pelo corpo quando está exposto à luz solar aceleram o sucesso do tratamento.
Versão para impressão
Algo tão simples como apanhar sol pode fazer a diferença na recuperação de pacientes com tuberculose e outras infeções pulmonares. A conclusão é de um estudo britânico que revelou que, quando aliadas à toma de antibióticos, as altas doses de vitamina D produzidas pelo corpo quando está exposto à luz solar aceleram o sucesso do tratamento.
 
A descoberta efetuada pelos investigadores da Queen Mary University, em Londres, sugere que uma grande quantidade de vitamina D é capaz de atenuar a resposta inflamatória à infeção nos pulmões, reduzindo os danos sofridos por estes órgãos.
 
Para a realização do estudo, os investigadores dividiram 95 pacientes que estavam a ser tratados com antibióticos comuns em dois grupos. Ao longo de oito semanas, 44 destes doentes receberam altas doses de vitamina D e os restantes receberam um placebo.
 
Após medirem os sinais de inflamação por meio de análises ao sangue, a equipa de Adrian Marineau observou que aqueles que receberam a vitamina melhoraram mais rapidamente. Além disso, a presença da bactéria Mycobacterium tuberculosis, causadora da doença, deixou de ser detetada em média 13 dias antes nesses pacientes do que nos restantes. 
 
Citado pela agência Reuters, Adrian Martineau, especialista em infeções respiratórias que coordenou o estudo publicado na revista científica Proceedings of the National Academy  of Sciences (PNAS), explicou que ainda antes da descoberta dos antibióticos, no final da década de 1930, os pacientes com tuberculose costumavam ser enviados para retiros onde eram encorajados a apanhar muito sol – um tratamento denominado fototerapia ou helioterapia.
 
Segundo os especialistas, por não interferirem com a ação dos antibióticos, os suplementos de vitamina D poderão também ser úteis para pessoas que se encontrem durante o processo de tratamento de doenças como pneumonia, septicemia ou outras infeções pulmonares.
 
A conclusão é especialmente relevante se for tido em conta que as taxas de tuberculose resistente aos medicamentos têm aumentado nos últimos anos, o que está a causar alarme entre as autoridades de saúde e a gerar uma procura crescente de novos tratamentos eficazes. 

Clique AQUI para aceder ao estudo publicado na PNAS (em inglês).

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close