Saúde

Tratamento da obesidade pode estar numa planta

O segredo para o tratamento da obesidade pode estar numa planta. Com recurso a um extrato da vinha Deus do Trovão, investigadores norte-americanos conseguiram diminuir em mais de 45% o peso de ratinhos obesos.
Versão para impressão
O segredo para o tratamento da obesidade pode estar numa planta. Com recurso a um extracto da vinha Deus do Trovão, muito utilizada na medicina tradicional chinesa, investigadores norte-americanos conseguiram diminuir em mais de 45% o peso de ratinhos obesos, o que pode abrir caminho ao seu futuro uso em terapias com humanos.
 
De acordo o estudo publicado, a semana passada, na revista científica Cell, e desenvolvido por cientistas da Universidade de Harvard, nos EUA, o composto da planta que leva à perda de peso, denominado “celastrol”, aumenta a ação de uma hormona, a leptina, que suprime o apetite.
 
“Durante as últimas duas décadas têm sido feitos enormes esforços para tratar a obesidade através da eliminação da resistência do organismo à leptina, mas todos têm falhado. O nosso estudo diz-nos que ainda há esperança no funcionamento desta hormona e no tratamento da obesidade”, afirma, em comunicado, Umut Ozcan, endocrinologista da universidade norte-americana e principal autor da investigação.
 
Segundo Ozcan, “se o 'celastrol' funcionar em humanos como funciona em ratinhos, poderá constituir-se como uma arma poderosa para o tratamento da obesidade e melhorar, também, a saúde de muitos pacientes com outras complicações associadas, como as doenças cardiovasculares ou a diabetes tipo 2”.

Perda de peso na ordem dos 45% em ratinhos
 

A ausência, no organismo, da leptina, uma hormona derivada das células de gordura que avisa o cérebro quando o corpo tem falta de “combustível” e energia, leva, tanto em humanos como em ratinhos, a um apetite voraz, resultando em obesidade.
 
Porém, mesmo quando existe em grandes quantidades na corrente sanguínea, esta hormona não é capaz de reduzir a fome ou a ingestão de alimentos em indivíduos obesos, o que faz com que muitos especialistas acreditem que a falta de sensibilidade à leptina pode ser a origem da doença. 
 
Depois de muitos esforços infrutíferos no sentido de desenvolver fármacos capazes de aliviar a resistência à hormona, a equipa coordenada por Ozcan descobriu, finalmente, que esta resistência está associada a uma resposta ao 'stress' numa estrutura celular específica – o retículo endoplásmico (ER, na sigla em inglês).
 
No âmbito do novo estudo, o endrocrinologista e os colegas testaram a eficácia do “celastrol” na melhoria da função desta estrutura e na sensibilidade à leptina. Após uma única semana de tratamento com este composto, os ratinhos obesos tinham já reduzido a ingestão de alimentos em cerca de 80%.
 
Ao fim da terceira semana de terapia, revela a Universidade de Harvard, os modelos animais tratados perderam 45% do peso inicial, uma perda “maior do que aquela que é conseguida com a cirurgia bariátrica – uma operação ao estômago e/ou aos intestinos que ajuda os pacientes com obesidade mórbida a emagrecer”.
 
Além disso, o “celastrol” conseguiu baixar os níveis de colesterol dos ratinhos obesos e melhorou o funcionamento do fígado e o metabolismo da glicose, o que pode contribuir, também, indiretamente, para um menor risco de doença cardiovascular ou de diabetes tipo 2, destacam os cientistas. 

Investigadores pedem cautela a quem quer emagrecer
 

Apesar de o extrato da não ter produzido efeitos tóxicos nos modelos animais analisados, Ozcan alerta que o composto da vinha Trovão de Deus não deve ser utilizado por humanos com vista à perda de peso enquanto os seus benefícios não forem comprovados, já que tal pode revelar-se perigoso.
 
“O 'celastrol' está presente nas raízes desta vinha, mas a planta contém muitos outros compostos. Portanto, o seu consumo pode ser perigoso”, avisa o endocrinologista que, espera, em breve, começar a estudar, com a sua equipa, os mecanismos moleculares através dos quais o composto atua.
 
“O meu principal objetivo é que esta investigação venha a traduzir-se numa nova e poderosa abordagem para o tratamento da obesidade”, finaliza Ozcan.

Clique AQUI para aceder ao estudo (em inglês).

Notícia sugerida por Maria da Luz

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close