Saúde

Trabalhar mais de 25 horas por semana faz mal

Trabalhar mais de 25 horas por semana é prejudicial para o cérebro, em especial em trabalhadores com idades iguais ou superiores a 40 anos, revela um estudo do Instituto de Economia Aplicada e Investigação Social de Melbourne, na Austrália.
Versão para impressão
Trabalhar mais de 25 horas por semana é prejudicial para o cérebro, em especial em trabalhadores com idades iguais ou superiores a 40 anos, revela um estudo do Instituto de Economia Aplicada e Investigação Social de Melbourne, na Austrália.

Não faça já a festa. Os investigadores concluíram que o trabalho pode, sim, beneficiar o desempenho cognitivo – mas só durante as primeiras 25 horas semanais. Após esse pico os autores do estudo verificaram que se regista um declínio no desempenho do cérebro.

As notícias não são melhores para quem trabalha 40 horas semanais, como é o caso dos portugueses: trabalhar excessivamente pode, inclusive, resultar num cérebro menos saudável do que o de uma pessoa que trabalha menos, ou seja, torna-se contraprodutivo.

Cérebros jovens são mais resistentes

Os resultados são menos evidentes em pessoas abaixo dos 40 anos. “A minha estimativa pessoal seria que a função de recuperação do desempenho cognitivo nos jovens é um pouco diferente”, diz Colin McKenzie, professor de economia na Universidade Keio, no Japão, e um dos autores do estudo. “Os jovens são mais resilientes (…) a trabalhar longas horas de forma contínua”.

“Isto sugere que, para otimizar o desempenho cognitivo das pessoas, trabalhar menos horas é o melhor”, acrescenta o investigador sublinhando que trabalhar demasiado é “muito pior” do que trabalhar menos.

Os investigadores analisaram dados relativos a 6.500 cidadãos australianos e descobriram que o tempo investido a trabalhar afeta diretamente o funcionamento do cérebro – uma relação que se torna mais acentuada a partir da meia-idade.

O estudo comparou o número de horas trabalhadas com resultados obtidos em testes de memória funcional, competências linguísticas, concentração e velocidade de processamento de informação.

Os resultados foram semelhantes tanto para homens como para mulheres. As principais causas que os investigadores encontraram associadas à redução do desempenho cerebral são o stress físico e psicológico associado a longas jornadas de trabalho.

Holanda com média de 29 horas por semana

A lei laboral portuguesa está muito longe destes valores ideais, já que estabelece um máximo de oito horas de trabalho diário e 40 horas de trabalho semanal.

Segundo o estudo Society at Glance, da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), a Holanda é o país com a jornada de trabalho mais reduzida, registando uma média de 29 horas de trabalho por semana. Na Bélgica, na Suécia e na Alemanha a média é de 35 horas.

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close