Negócios e Empreendorismo

Têxteis: Empresa portuguesa em destaque na CNN

A recuperação da empresa portuguesa Lameirinho despertou a atenção da estação norte-americana CNN que dedica uma reportagem especial a esta produtora de têxteis, bem representada no mercado internacional.
Versão para impressão
A recuperação da empresa portuguesa Lameirinho despertou a atenção da estação norte-americana CNN que dedica uma reportagem especial a esta produtora de têxteis, bem representada no mercado internacional.
 
A reportagem “Indústria têxtil que se cose a si mesma”, divulgada esta quinta-feira, mostra-nos o dia-a-dia de trabalho da empresa de Guimarães que tem crescido em exportações e em volume de negócios. O grupo familiar “mantém-se de pé” entre um cenário de tantas outras empresas que têm os seus “portões fechados, pintura desgastada e janelas partidas”.
 
Especialista nas mais variadas peças na área de têxtil lar, a Lameirinho exporta cerca de 90 por cento das suas importações vão para marcas internacionais como a Ralph Lauren, Zara Home e Agatha Ruiz de la Prada. “Inovações como tecidos que não necessitam de ser engomados ou lençóis que repelem mosquitos tornaram a Lameirinho numa empresa mais atrativa para o exterior”, explica a correspondente da CNN Isa Soares.
 
Image and video hosting by TinyPic
[Bouchara Paris, Ana Salazar e Rua Sésamo são algumas das marcas que têm procurado os serviços da empresa portuguesa Lameirinho]
 
Apesar do cenário de crise, Paulo Vaz, diretor-geral da Associação Têxtil e Vestuário de Portugal, aponta uma das causas para o sucesso da Lameirinho o retorno de “muitos clientes internacionais que costumavam trabalhar com Portugal há 20 anos atrás”. O representante explica que houve uma grande mudança nos últimos cincos anos que se intensificou com a perda de representatividade dos produtores chineses. 
 
A trabalhar na produção de têxteis desde os 11 anos de idade, Albano Coelho Lima é hoje o presidente do Conselho de Administração da Lameirinho, empresa construída pelo seu pai em 1948. O empresário português admite que tem de fazer “sacrifícios” para manter o negócio e admite que, “quando a Europa criou o euro”, nunca pensou que “teria de lutar para sobreviver”.
 
Nos últimos dez anos de atividade, a empresa dispensou 700 postos de trabalho de forma a manter-se no mercado. Ainda assim, Albano Coelho Lima tem esperança em vir a recuperar a forma que tinha anteriormente com os resultados de 18% de crescimento em exportações e de 13% de aumento do volume de negócios.
 
Clique AQUI para visualizar a reportagem da CNN (em inglês).

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close