Saúde

Suécia: Transplante inédito de veia salva menina

Uma menina de 10 anos que sofria de um grave bloqueio venoso tornou-se a primeira em todo o mundo a receber, uma veia "criada" em laboratório com as suas próprias células estaminais.
Versão para impressão
Uma menina de 10 anos que sofria de um grave bloqueio venoso tornou-se a primeira em todo o mundo a receber, por meio de um transplante, uma veia “criada” em laboratório com as suas próprias células estaminais. A cirurgia histórica tem como principal benefício a não existência de risco de rejeição pelo organismo, evitando-se a toma vitalícia de medicamentos imunossupressores.
 
A operação, realizada em Março do ano passado, foi dada agora conhecer na revista médica The Lancet e marca um avanço sério na procura de alternativas para a criação de órgãos e tecidos do corpo humano.
 
“Estou muito otimista e acredito que, num futuro próximo, teremos possibilidade de transplantar veias e artérias em larga escala”, afirmou Suchitra Sumitran-Holgersson, coordenadora da equipa sueca que efetuou o procedimento e professora da Universidade de Gotemburgo.
 
Para proceder ao transplante, os médicos começaram por retirar a uma veia ilíaca de nove centímetros colhida de um cadáver todas as suas células vivas, conservando somente o “tubo” formado pela estrutura proteica subjacente. Depois, injetaram nessa estrutura células estaminais provenientes da medula óssea da jovem doente, tornando a veia “compatível” com o seu organismo e, duas semanas depois, avançaram para a cirurgia.
 
Imediatamente após o transplante o fluxo normal na veia em questão – a veia porta hepática, que leva o sangue dos intestinos e do baço até ao fígado e cujo bloqueio pode ser fatal – foi restabelecido e não houve quaisquer complicações pós-operatórias.

Os bons resultados começaram a notar-se logo durante o ano que se seguiu, já que a menina ganhou seis centímetros de altura e engordou cinco quilos.

Técnica precisa de ser aperfeiçoada
 

Sumitran-Holgersson avisa que a técnica ainda precisa de ser aperfeiçoada, isto porque, nove meses depois do transplante, os cirurgiões tiveram de proceder a uma nova intervenção para tratar parte do tecido que, com o tempo, ficara rígida.
 
Mesmo assim, graças à técnica inovadora, a menina encontra-se de boa saúde, consegue fazer exercícios leves e andar a pé sem problemas e, além disso, está livre da obrigação de tomar imunossupressores para evitar a rejeição da veia, uma vez que esta “nasceu” a partir das suas células.
 
Entretanto, a equipa responsável pela cirurgia inédita simplificou o processo, conseguindo colher células a partir do sangue e não apenas da medula, e espera testar a utilização do mesmo método em artérias ainda este ano.
 
De realçar que, por todo o mundo, o campo da chamada medicina regenerativa tem ganho cada vez mais adeptos, com muitos especialistas a estudar para desenvolver diferentes órgãos e tecidos humanos em laboratório, entre eles pulmões e corações.
 
Clique AQUI para aceder ao artigo publicado na The Lancet (em inglês).

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close