Negócios e Empreendorismo

Startups responsáveis por 61% dos novos empregos

No total, 98% do tecido empresarial português era, entre 2007 e 2011, constituído por pequenas empresas, muitas delas jovens, sendo estas responsáveis pela maior fatia da criação de novo emprego no nosso país: 61%.
Versão para impressão
No total, 98% do tecido empresarial português era, entre 2007 e 2011, constituído por pequenas empresas. Dentro deste grupo, muitas das empresas são jovens, sendo estas responsáveis pela maior fatia da criação de novo emprego no nosso país: 61 por cento.

Esta é uma das diversas conclusões do estudo “Onde Nasce o Novo Emprego”, desenvolvido pela Informa D&B, que foi dado a conhecer recentemente e sublinha a importância dos pequenos negócios e das startups para a economia nacional. 
 

Os resultados deste estudo, que analisou o universo das empresas portuguesas com atividade em cada ano do estudo (a uma média de 294 mil empresas/ano) foram desvendados durante a 2ª Conferência sobre Crescimento Empresarial, apresentada por Teresa Cardozo de Menezes, diretora-geral da Informa D&B, no Auditório da Reitoria da Universidade Nova de Lisboa.
 
Os dados revelados mostram que as empresas jovens, isto é, com idade igual ou inferior a cinco anos, ocupam 35% do nosso tecido empresarial, criando, em média, 46% do emprego gerado anualmente. Nos quatro anos estudados, é também de salientar o papel das startups que, constituindo 6,5% do total de empresas, criam, sozinhas, cerca de 18% dos novos postos de trabalho anuais.


Resultados foram apresentados numa conferência na Universidade Nova de Lisboa (© Rui Leal)
 

Para os responsáveis pelo estudo enviado ao Boas Notícias, “o facto mais saliente” da investigação é que a idade dos negócios parece ser um fator determinante para a criação de emprego: são as empresas jovens que criam a maior parte do novo emprego gerado na economia, empresas estas que, por norma, são também pequenas e crescem a um ritmo acelerado.
 
Outra parcela importante da criação anual de novo emprego (10%) é proveniente das chamadas Empresas de Crescimento Elevado (ECE), isto é, companhias que se encontram a passar por uma fase de desenvolvimento em que “demonstram ambição e potencial para crescer”. 
 
2.600 startups por ano
 
As empresas startup ocupam também, cada vez mais, um papel de relevo a nível da saúde económica portuguesa. De acordo com os dados, este tipo de empresas envolvem uma média de 46 mil pessoas e 2.600 startups por ano.
 
Entre 2006 e 2011, revela este estudo, nasceram, anualmente, em Portugal, uma média de 22 mil startups e, em cada ano, estrearam-se cerca de 27 mil novos empreendedores. 
 
Cerca de 60% dos empresários que se lançam na criação de uma startup a título singular estão a empreender pela primeira vez, ao passo que, quando a estrutura acionista das novas empresas é composta por pessoas singulares e coletivas, aproximadamente 72% dos empreendedores tiveram já experiências empresariais anteriores.  
 
Lisboa cria mais emprego, Norte cria mais empresas
 

Ao longo dos quatro anos em análise, 75% de todos os empregos criados foram gerados nos setores dos serviços (29%), indústrias transformadoras (17%), construção (16%) e retalho (13%), sendo o primeiro aquele que criou mais empregos líquidos. 
 
A nível regional, Lisboa e Norte surgem em destaque. A capital portuguesa é a região do país onde há maior criação de emprego (38% do total), sendo a distribuição dos novos empregos muito semelhante à distribuição do emprego total do tecido económico. Segue-se a região Norte (33%) e, a fechar a tabela, aparece o arquipélago dos Açores, com uma criação de emprego de apenas 1,3% em quatro anos.
 
É, no entanto, de notar, que, conforme sublinham os autores do estudo, entre 2007 e 2011, Lisboa e Açores foram as únicas regiões do país onde a criação de emprego foi superior à destruição.  
 
Por outro lado, o Norte lidera no que toca ao nascimento de empresas: a tendência de criação de companhias nesta região do país, que se faz sentir desde 2006 (32%) tem vindo a aumentar e, no presente ano, 37% das empresas nascidas em todo o território surgem naquela área. 
 
Autores recomendam monitorização dos fenómenos empresariais
 
Em jeito de conclusão, e destacando a relevância das pequenas empresas – a maioria delas jovens – na criação de novos empregos numa época em que o desemprego não para de crescer, os responsáveis pelo estudo esperam que estes dados possam contribuir para um melhor conhecimento do tecido empresarial nacional.
 
Além disso, defendem a necessidade do desenvolvimento de indicadores para enriquecer a análise do tecido empresarial, bem como a elaboração de estudos sobre o tecido empresarial português, com vista a monitorizar a evolução dos fenómenos empresariais, e recomendam a participação em projetos internacionais de análise do crescimento das empresas.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close