Saúde

SIDA: Menos 25% de infeções em África

NULL
Versão para impressão

No ano em que se assinalam os 30 anos do aparecimento da SIDA, um relatório da ONUSIDA revela que a taxa de novas infeções por HIV caiu 25%, entre 2001 e 2009, nos países mais afetados pela doença. Estes números resultam, sobretudo, de uma mudança no comportamento sexual dos jovens das regiões mais afetadas, como o continente africano.

Em termos globais, o número de infeções caiu 19% por cento. Mas a prevalência de HIV nos jovens entre os 14 e os 25 anos caiu mais de 25 por cento em 15 dos 33 países mais afetados pela epidemia, sobretudo na África Subsariana, e na Índia a quebra ronda os 50 por cento, segundo um relatório divulgado esta terça-feira.
 
De acordo com o relatório anual da ONUSIDA, a agência das Nações Unidas de luta contra a SIDA, na Costa do Marfim, Etiópia, Quénia, Malawi, Namíbia, Tanzânia, Zâmbia e Zimbabué, a diminuição tem sido acompanhado por mudanças positivas nos comportamentos sexuais.

Também no Burundi, Lesoto, Ruanda, Suazilândia, Bahamas e Haiti, os jovens diminuíram o número de parceiros, utilizam mais vezes preservativo e esperam mais tempo para iniciar a sua vida sexual.

Apesar destas alterações positivas, ainda há cerca de cinco milhões de jovens infetados com HIV em todo o mundo. Além disso, dos 33,4 milhões de pessoas que vivem atualmente com o vírus, metade são mulheres.

No entanto, segundo o relatório, o acesso das mulheres aos preservativos femininos aumentou de forma exponencial, com um número recorde de 50 milhões em 2009.

Entre os dados favoráveis, a ONUSIDA relata ainda que a epidemia estabilizou na maior parte das regiões, apesar de os índices continuarem a subir na Europa de leste e na Ásia central, devido às elevadas percentagens de novas infeções.

A África Subsariana continua a ser a região mais afetada do planeta, já que, em 2008, registou 71 por cento das novas infeções mundiais.

“Estamos num momento crucial para podermos criar um novo enfoque de luta contra a SIDA”, apontou o diretor executivo da ONUSIDA, Michel Sidibé, durante a apresentação do documento.

A agência reclama ainda mais dinheiro para combater a epidemia. Em 2008, foram gastos 15 mil milhões de dólares (11,7 mil milhões de euros) com o HIV, com metade deste valor a ser proveniente dos Estados Unidos.

Clique AQUI para aceder ao relatório da ONUSIDA.

[Notícia atualizada a 17 de julho às 23h00]

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close