Mundo

Sete ex-prisioneiros cubanos chegaram a Madrid

Os primeiros sete ex-prisioneiros, opositores ao regime cubano de Castro, já chegaram a Madrid, na Espanha, onde encontram exílio político junto com as suas famílias. Nos próximos dias chegarão mais treze dos 52 prisioneiros que Cuba irá libertar con
Versão para impressão
[Imagem: EPA]
Os primeiros sete ex-prisioneiros, opositores ao regime cubano de Castro, já chegaram a Madrid, na Espanha, onde encontram exílio político junto com as suas famílias. Nos próximos dias chegarão mais treze dos 52 prisioneiros que Cuba irá libertar conforme o acordado nas negociações que envolveram a Igreja Católica em Cuba e a diplomacia espanhola.

De acordo com a AFP, entre os ex-detidos que chegaram esta semana a Espanha estão Ricardo Gonzalez, de 60 anos, que tinha sido colaborador da organização Repórteres sem Fronteiras e foi condenado a 20 anos de prisão; António Villareal, de 59 anos, que fez parte de um grupo de dissidentes que apelou a reformas democráticas em Cuba e foi condenado a 15 anos de prisão.

Lester Gonzalez, de 33 anos, que escrevia em publicações na Internet e foi condenado a 20 anos de detenção; José Luis Garcia, cirurgião de 45 anos que colaborara com uma agência de informação ilegal em Cuba e foi condenado a 24 anos de prisão; Pablo Pacheco, jornalista de 40 anos condenado a 20 anos de detenção.

 Omar Ruiz, de 62 anos, redator de publicações clandestinas em Santa Clara e condenado a 18 anos de detenção e Julio César Galvez, 65 anos, que também colaborou com órgãos de informação clandestinos e acabou por ser condenado a 15 anos de prisão.

Cuba anunciou que a libertação dos 52 opositores políticos será feita num prazo máximo de quatro meses. Fazem parte de um grupo de 75 pessoas que foram detidos numa vaga repressiva do regime a Março de 2003 e que ficou conhecida como “Primavera Negra”.

Esta é a libertação mais significativa de prisioneiros políticos desde que Raúl Castro sucedeu ao irmão Fidel Castro, há quatro anos.

Contudo, nem todos os prisioneiros estão dispostos a partir para Espanha. É o caso de Pedro Argüelles, detido há sete anos e condenado a 20 que se recusa a deixar Cuba. O dissidente explica porquê numa entrevista publicada no blogue da jornalista cubana Yoani Sánchez.

“Este é o meu lugar para lutar pelos direitos e liberdades inerentes à dignidade da pessoa humana e é aqui que quero estar, na primeira linha de combate frente ao regime totalitário castrista”, declarou Pedro Argüelles citado pela Euronews.

Entretanto no dia de hoje, quarta-feira, mais dois dissidentes cubanos chegaram a Madrid, somando-se a este primeiro grupo de sete antigos presos políticos que chegaram ontem à capital espanhola.

[Notícia atualizada às 18h30]

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close