Saúde

Saúde Mental: país aposta na reabilitação

Residências, equipas de apoio domiciliário e unidades sócio-ocupacionais para doentes mentais graves vão arrancar em todo o país em experiências piloto inseridas nos Cuidados Continuados Integrados de Saúde Mental, avançou o coordenador do projeto es
Versão para impressão
Residências, equipas de apoio domiciliário e unidades sócio-ocupacionais para doentes mentais graves vão arrancar em todo o país em experiências piloto inseridas nos Cuidados Continuados Integrados de Saúde Mental, avançou o coordenador do projeto este domingo, Dia Mundial da Saúde Mental.

A integração na sociedade das pessoas com doença mental grave é o principal objetivo da Rede de Cuidados Continuados Integrados de Saúde Mental. Isso será feito através de unidades residenciais, unidades sócio-ocupacionais e equipas de apoio domiciliário que se articulam com os serviços locais de saúde mental.

Uma das prioridades é evitar internamentos para toda a vida. O arranque deste projeto vai ser marcador por uma medida anunciada há anos: o encerramento do hospital psiquiátrico mais antigo do país, o Miguel Bombarda (Lisboa), que acontecerá até ao fim deste ano após a transferência para residências dos 44 doentes que aí ainda permanecem internados.

No futuro, o objetivo é manter abertos apenas três hospitais psiquiátricos: o Júlio de Matos ( Lisboa), o Magalhães Lemos (Porto) e o Sobral Cid (Centro). No prazo de “cinco a sete anos, pretende-se ter cerca de quatro mil pessoas em residências de vários tipos”, afirma Álvaro Carvalho citado pelo jornal Público.

Protocolos incluem respostas para crianças e adolescentes

Os protocolos de implementação das primeiras experiências-piloto vão ser assinados na segunda-feira numa sessão de comemoração do Dia Mundial de Saúde Mental, e incluem soluções para crianças e adolescentes.

Em declarações ao Público, Álvaro Carvalho sublinhou a importância de haver respostas especificas para crianças e adolescentes com problemas de saúde mental.

Assim, estão previstas dois tipos de unidades para esta população: comunidades terapêuticas dirigidas às que têm alterações de comportamento e que normalmente são encaminhados para colégios ligados à área da justiça; e unidades de apoio máximo para as que sofrem de doença psiquiátrica grave, nomeadamente problemas psicóticos.

Unidades de norte a sul

Na região de Lisboa e Vale do Tejo, avançam várias unidades residenciais: uma para treino de autonomia, uma autónoma, três de apoio máximo e uma de apoio moderado para adultos. E a região Centro fica com duas unidades sócio-ocupacionais.

Para crianças e adolescentes haverá uma residência de treino de autonomia na Casa de Saúde da Idanha e uma unidade sócio-ocupacional.

No Norte avança uma equipa de apoio domiciliário em Braga, uma unidade sócio-ocupacional em Matosinhos e duas residências autónomas em Barcelos.

O Alentejo conta com uma equipa de apoio domiciliário para adultos e outra para crianças e adolescentes, em Beja. Enquanto no Algarve avança uma residência de apoio máximo, em Almancil.

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close