Ciência

Satélite Planck envia primeira imagem do Universo

O satélite Planck, da Agência Espacial Europeia (ESA), enviou a primeira imagem da abóbada celeste. O Planck foi concebido para providenciar uma nova perspetiva sobre a forma como as estrelas e galáxias se formam e mostrar como o Universo se desenvol
Versão para impressão
O satélite Planck, da Agência Espacial Europeia (ESA), enviou a primeira imagem da abóbada celeste. O Planck foi concebido para providenciar uma nova perspetiva sobre a forma como as estrelas e galáxias se formam e mostrar como o Universo se desenvolveu depois do Big Bang, conforme explica a ESA em comunicado.

“É o momento para o qual o Planck foi criado”, adianta o diretor de Ciência e Exploração Robótica da ESA, David Southwood que classifica a imagem como preciosa para os astrónomos.

“Estamos a abrir a porta para um El Dorado onde os cientistas podem buscar as informações para compreender de forma mais aprofundada como o Universo evoluiu e como funciona agora”.

O disco principal da nossa galáxia, a Via Láctea, está localizado no centro da imagem.  Logo a seguir as faixas de poeira fria que se projetam acima e abaixo da Via Láctea. Esta teia galáctica é onde nascem as novas estrelas.

O Planck encontrou diversos locais onde estrelas individuais estão a nascer ou simplesmente a começar o ciclo de desenvolvimento.   

O fundo e topo manchado na imagem é Radiação Cósmica de Fundo em Microondas (RCFm), a forma de luz mais antiga do Universo a partir do qual este se espalhou há 13.7 bilhões de anos atrás.

Enquanto a imagem da Via Láctea mostra o estado atual de nossa vizinhança cósmica – o universo – as microondas mostram como o este era antes de surgirem as primeiras estrelas ou galáxias.

As RCFM cobrem todo o céu mas a maioria está escondida nesta imagem por causa da Via Láctea. Será então removida de forma digital para que se veja o fundo de microondas inteiro.

A missão do Planck será descodificar esse padrão do pano de fundo e mostrar o que aconteceu nos primórdios do tempo e do espaço.

“Esta imagem é apenas um vislumbre do que o Planck pode observar em última instância”, disse Jan Tauber, cientista da ESA.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close