Em Destaque Sociedade

Relações pessoais e saúde são a chave para a felicidade

Diz a sabedoria popular que “o dinheiro não traz felicidade”. Agora, um estudo britânico confirma esta teoria, ao revelar que os problemas de saúde (mentais e físicos) e o insucesso em termos de relações humanas são as principais causas de infelicidade.
Versão para impressão
por redação

Se pudéssemos eliminar problemas psicológicos como a depressão ou a ansiedade, a infelicidade do mundo seria reduzida, automaticamente, em 20%, sendo que eliminando a pobreza, apenas 5% da infelicidade mundial seria eliminada, dizem os autores do estudo realizado pela London School of Economics em parceria com a Organização para a Cooperação e para o Desenvolvimento Económico (OCDE).

Os resultados do estudo “A origem da felicidade” foram apresentados em dezembro, em Londres, na conferência intitulada “Bem-estar ao longo da vida” que contou com a presença de especialistas do mundo inteiro.

Para determinar as condições que conduzem a uma vida feliz, a equipa liderada pelo especialista Richard Layard analisou 200 mil pessoas de quatro países: Austrália, EUA, Grã-Bretanha e Alemanha.

Os dados dos inquéritos relevaram que a desigualdade financeira explica apenas 1% da infelicidade dos cidadãos. Já a saúde emocional das crianças, revelou-se como o fator mais determinante para dar origem a uma vida adulta feliz, mais ainda do que a educação.

Diz a equipa deste estudo, que é por este motivo que, nas últimas quatro décadas, a felicidade média dos cidadãos daqueles países não aumentou, embora a qualidade de vida tenha melhorado. Assim, Richard Layard  considera que “é tão importante o Estado prevenir problemas como violência doméstica, alcoolismo, depressões e ansiedade” como “combater o desemprego e a pobreza”.

Contudo, a desigualdade económica tem sido apontada em vários estudos, como é o caso das investigações realizadas pelo britânico Richard Wilkinson, como uma das principais causas de problemas mentais, dependência de substâncias e de violência. Ou seja, talvez seja difícil combater as doenças mentais e promover relações humanas felizes sem eliminar a desigualdade social e económica.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close