Mundo

Quénia: Avó de 90 anos anda na escola com os netos

Uma avó queniana é o exemplo vivo de que nunca é tarde para aprender. Aos 90 anos, Priscilla Sitinei é colega de turma de seis dos seus tetranetos na escola primária da aldeia de Ndalat, no Quénia, e já consegue ler e escrever.
Versão para impressão
Uma avó queniana é o exemplo vivo de que nunca é tarde para aprender. Aos 90 anos, Priscilla Sitinei é colega de turma de seis dos seus tetranetos na escola primária da aldeia de Ndalat, no Quénia, onde vive, e, graças às aulas que tem frequentado, já consegue ler e escrever. 
 
Foi há cinco anos que esta antiga parteira – que ajudou ao nascimento de muitos outros alunos da escola – começou a estudar na Leaders Vision Preparatory School, aproveitando uma oportunidade que não teve quando era criança motivada pela vontade de conhecer as letras para poder ler a Bíblia sozinha.
 
Em entrevista à BBC News, Priscilla Sitinei confessa que quer, também, inspirar as crianças da aldeia a apostar na educação. “Há demasiados jovens que não estão na escola e que até já têm filhos. Eles dizem-me que sou muito velha, e eu digo-lhes: estou na escola e vocês também deviam estar”, conta a queniana.
 
“Vejo crianças perdidas, crianças sem pais, que se limitam a deambular sem esperança. Quero inspirá-las a estudar”, afirma esta avó, que é, provavelmente, a mais velha estudante do ensino primário do mundo. 
 
Inicialmente, a escola recusou a inscrição de Priscilla Sitinei, mas quando os responsáveis da instituição se aperceberam da vontade que a nonagenária tinha de aprender decidiram ceder e incluí-la numa das turmas. Hoje, admitem estar gratos por tê-lo feito.
 
“Estou muito orgulhosa dela. A Gogo [como é carinhosamente chamada] tem sido uma bênção para esta escola e uma motivação para as crianças. Todas a adoram, todas querem aprender e brincar com ela”, diz, em entrevista à BBC, o diretor do estabelecimento, David Kinyanjui.
 
Apesar da idade, Priscilla Sitinei faz questão de participar nas aulas de todas as disciplinas, desde a Matemática e o Inglês ao Teatro, à Dança, ao Canto e até à Educação Física. Nos intervalos, e sempre com o uniforme da escola vestido, tal como os seus colegas mais novos, partilha as suas muitas histórias de vida com os outros alunos.
 
“Quero dizer a todas as crianças do mundo, em especial às meninas, que a educação será a sua riqueza e que não devem depender do pai. Com educação podem ser tudo o que quiserem: médicas, advogadas ou pilotos”, garante a queniana.

A avó espera agora utilizar o que tem aprendido nas novas aulas para escrever um livro sobre ervas medicinais e para partilhar os conhecimentos que adquiriu durante as várias décadas como parteira. 

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close