Negócios e Empreendorismo

Qatar: Construtora portuguesa assina contrato milionário

Uma construtora portuguesa acaba de assinar um contrato de 280 milhões de euros com a Autoridade das Obras Públicas do Qatar, com vista à construção de um conjunto de estradas e infraestruturas na zona industrial da cidade de Doha.
Versão para impressão
Uma construtora portuguesa acaba de assinar um contrato de 280 milhões de euros com a Autoridade das Obras Públicas do Qatar, com vista à construção de um conjunto de estradas e infraestruturas na zona industrial da cidade de Doha. As obras vão arrancar a 5 de Janeiro do próximo ano e prevê a reabilitação daquela área num prazo de novecentos dias, ou seja, dois anos e meio. 
 
Citado pela Lusa, o diretor da MSF, Carlos Bernardino, explica que as obras consistem em novas infraestruturas de águas pluviais, pavimentação e passeios, alinhamentos e vedações, mobiliário urbano, iluminação, entre outros, numa zona com mais de vinte anos e com mais de 480 hectares (o equivalente a 480 estádios de futebol).
 
O contrato foi assinado no âmbito da missão do vice-primeiro-ministro luso àquele país que é o maior exportador mundial de gás natural até ao próximo dia 6 de Dezembro. Da sua comitiva fazem parte 42 empresários portugueses, sobretudo das áreas do turismo, agroalimentar, farmacêutica, construção e tecnologias de informação. A MSF foi a primeira a conseguir fazer negócio. 
 
Para o governante, este é “certamente o maior contrato alguma vez ganho por uma empresa portuguesa de obras públicas na região do Golfo, uma das regiões do mundo onde a economia mais cresce e onde tradicionalmente estavam empresas francesas, inglesas, espanholas, italianas, chinesas”.
 
“Provámos que éramos melhores do que os outros. E, agora, atrás deste contrato podem vir outros e atrás de uma empresa podem vir outras empresas portuguesas. É toda uma cadeia de oportunidades que se pode estar aqui a gerar”, afirma Paulo Portas. 
 
O vice-primeiro-ministro lembra que o Qatar vai organizar o mundial de futebol de 2022, vendo aí “uma oportunidade para as empresas portuguesas”. 
 
“Temos experiência relativamente à organização do Euro 2004 e as empresas portuguesas de construção são altamente internacionais”, refere. “Por outro lado, a engenharia portuguesa está seguramente entre as melhores capacidades técnicas presente em todo o mundo”.

Notícia sugerida por Maria Pandina

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close