Sociedade

Projeto português quer usar cães para prevenir suicídio

Duas alunas de psicologia da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) elaboraram um projeto inovador para ajudar a combater o suicídio, com o recurso a um cão treinado e a uma aplicação tecnológica de monitorização comportamental.
Versão para impressão
Duas alunas de psicologia da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) elaboraram um projeto inovador para ajudar a combater o suicídio, com o recurso a um cão treinado e a uma aplicação tecnológica de monitorização comportamental.
 
O responsável pelo Laboratório de Psicologia Experimental Clínica e orientador do projeto, Francisco Cardoso, disse ao Boas Notícias que, no próximo ano, já esperam testar este programa onde “o cão desempenha duas funções essenciais".

Por um lado, os investigadores apostam no animal para "colmatar a solidão e a desmotivação, características da população com tendências suicidas; por outro lado, deverá assumir-se como mediador na monitorização do comportamento do dono”.

 
Isto porque, como se sabe, o cão é um animal que cria elevada empatia com os donos, sendo capaz de mimetizar os comportamentos do dono.

O cão terá o dispositivo na coleira, desenvolvido por engenheiros da UTAD, que só poderá ser retirado por uma equipa de técnicos. Designado “Dog Stress Device” (DSD), o aparelho consegue registar os comportamentos de stress do animal.


O projeto foi desenvolvido por Helena Patrícia Pereira e Susana Carvalho, mestrandas em Psicologia Clínica na UTAD

 
Na aplicação do projeto, Francisco Cardoso assinala que “o cão é submetido a treino específico para que, nas situações críticas, possa responder com determinados padrões comportamentais e fisiológicos" que, através do DSD, serão "monitorizados por uma equipa de psicólogos que poderão reagir prontamente caso seja necessário auxílio".
 
O uso deste do aparelho no animal e não no sujeito humano é justificado pelo facto de “as pessoas com tedências poderem dissimular padrões comportamentais, ao passo que o cão reagirá segundo os padrões de condicionamento". Ou seja: "o cão não mente, nem dissimula”.

Além disso, reforça o investigador, o projeto aposta “na excecionalidade das capacidades olfativas do cão, pois crê-se que as alterações bioquímicas, que podem ocorrer em situações críticas no potencial suicida, possam ser detetadas pelo cão, que deverá agir de acordo com o protocolo preestabelecido”.

 
Notícia sugerida por Elsa Martins

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Mais recentes

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close