Ciência

Primeiros satélites do “GPS” europeu partem amanhã

NULL
Versão para impressão

É já amanhã que os dois primeiros satélites do sistema de navegação europeu Galileo partem para o espaço. Este é um passo muito importante na história espacial europeia, já que pretende ter a funcionar, em 2014, o primeiro sistema de navegação por satélite europeu que vai competir com o GPS, dos Estados Unidos, e o Glonass, russo.

O momento do lançamento será transmitido para todo o mundo no site da Agência Espacial Europeia (ESA), autora do projeto juntamente com a Comissão Europeia.

A partida vai dar-se às 07:34 (11:34 em Lisboa) da base espacial de Kourou, na Guiana Francesa. O foguete russo Soyuz ST-B será o responsável por colocar dos dois satélites em órbita, a cerca de 23 600 quilómetros de altitude, informa a ESA.

Constelação Galileu vai ter 30 satélites

Esta será também a primeira vez que o Soyuz irá descolar de solo europeu. O veículo espacial é uma das mais recentes aquisições da família de foguetes russos que começou há 50 anos as suas viagens, ao transportar o primeiro satélite para o espaço, o Sputnik, a bordo do qual viajou Yuri Gagarin.

O sistema Galileo, conhecido como o “GPS europeu”, é um projeto de construção de um sistema civil de navegação por satélite, com cobertura mundial, que pretende competir com os serviços de navegação militares norte-americanos e russo.

Quando concluído, terá no espaço 30 satélites que vão formar a “constelação” Galileo. No próximo ano serão lançados mais dois destes objetos, todos construídos peça empresa Astrium Alemanha, informa a Lusa. Os restantes 26 satélites vão ser construídos pela também alemã OHB-System.

Galileo permite diminuir dependência face ao GPS americano

Em 2007, o custo deste programa pôs em causa a sua conclusão. Até então o custo total ascendia a 5.500 milhões de euros, mas a Comissão Europeia garantiu que o resultado iria valer a pena e possibilitar uma elevada poupança no final.

Os parceiros europeus defenderam então que o novo sistema apresenta vantagens ao nível da gestão do transporte (aumento da segurança, agilização das operações), mas também para áreas como a agricultura, pesca, saúde ou na luta contra a imigração ilegal.

“A atual dependência do sistema GPS levanta questões de natureza estratégica, uma vez que os sistemas utilizados não estão sob controlo europeu”, explicou ainda a CE, citando setores como a “política externa” ou a “segurança comum” dos 27 Estados-membros, informa a Lusa.

Amanhã os satélites “PMF” e “FM2”, como são designados pela ESA, vão começar a sua missão levando a bordo “os melhores relógios atómicos alguma vez utilizados para navegação”, garante a ESA. Cada satélite terá uma duração útil de 12 anos.

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close