Ciência

Portugueses desvendam genoma de praga agrícola

NULL
Versão para impressão
Uma equipa de investigadores de vários países, incluindo Portugal, conseguiu desvendar o genoma do ácaro-aranha, considerada uma das maiores pragas da agricultura. Com esta descoberta, abrem-se novos rumos na criação de pesticidas mais resistentes de combate a estes minúsculos animais.

De norte a sul do país, mas também nas hortas de todo o mundo, os acaros-aranha são vistos como uma das maiores pragas para a o desenvolvimento de mais de mil plantas diferentes. Desde o milho, à soja, passando por frutos como os morangos e legumes como os tomates, pepinos e pimentões, todos estes são alimentos que integram a dieta destes bichinhos.

Segundo informa o comunicado divulgado pela Universidade de Ontário Ocidental, a líder do estudo, estima-se que, em todo o mundo, o ácaro-aranha cause prejuízos na ordem dos mil milhões de euros. No total, cerca de 13% das potenciais culturas acabam por ser destruídas por insetos e ácaros.

De forma a encontrar novas soluções de combate a esta praga, um consórcio de cientistas provenientes de oito países dedicou-se à análise genética destes animais e conseguiu desvendar o seu genoma. Além do Canadá, estiveram envolvidos investigadores espanhóis, belgas, franceses, chilenos, alemães, suíços e portugueses.

No nosso país a investigação esteve nas mãos do Instituto Gulbenkian de Ciência (IGC) e do Departamento de Biologia Animal da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL). A investigação foi publicada esta semana na revista Nature. 

Seda dos ácaros tem potencial para o setor da construção de reforços

“Descobrimos o genoma da criatura e, mais importante, acreditamos ter encontrado o seu 'calcanhar de Aquiles', já que podemos começar a desenvolver não-pesticidas, alternativas às medidas de controlo de pragas”, diz Miodrag Grbic, professor de biologia da Faculdade de Ciência Ocidental. “Esta espécie é conhecida por desenvolver resistência a pesticidas”.

Os cientistas conseguiram descobrir a base genética que lhes permite adaptarem-se a diferentes plantas. Isso acontece graças à sua capacidade para multiplicar e conjugar novos genes de forma a descontaminar as moléculas de plantas tóxicas. Mas ainda mais surpreendente é que estes ácaros “sequestram” os genes das bactérias e fungos, incorporando-os no seu próprio genoma.

“Ao identificarem os genes que permitem produzir plantas resistentes aos ácaros-aranha, introduzindo novas ferramentas na biotecnologia baseada no controlo de pragas e reduzindo a capacidade dos ácaros-aranha para se reproduzirem, esta equipa pioneira abre portas para uma agricultura mais sustentável”, explica o comunicado.

O grupo descobriu ainda que a seda produzida pelos Tetranychus urticae – nome científico – tem um enorme potencial para a construção de materiais de reforço, por exemplo na indústria aeronáutica e automóvel. Os ácaros pertencem ao segundo maior grupo de animais do mundo, a seguir aos insetos.

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close