Saúde

Portugueses dão passos para tratar doença rara

Um grupo de investigadores portugueses deu, recentemente, um passo importante para o eventual tratamento da doença de Machado-Joseph, uma doença rara e hereditária com alta incidência em Portugal, em especial nos Açores.
Versão para impressão
Um grupo de investigadores portugueses deu, recentemente, um passo importante para o eventual tratamento da doença de Machado-Joseph, que causa sérias dificuldades de movimento aos seus portadores, identificando a proteína e o mecanismo que atuam na progressão do problema.
 
Em declarações à Lusa, Luís Pereira de Almeida, investigador do Centro de Neurociências e Biologia Celular da Universidade de Coimbra, explicou que já há bastante tempo se tem tentado perceber o mecanismo da doença e onde se pode tentar intervir para bloquear a sua progressão e o seu desenvolvimento.
 
“Os tratamentos que existem até agora são apenas sintomáticos. Esperamos vir a conseguir obter indicações que permitam levar a uma terapia que bloqueie a doença”, afirmou o especialista.
 
A doença de Machado-Joseph tem uma alta incidência em Portugal, principalmente nos Açores, e, embora rara, é a mais comum das doenças genéticas que causam descoordenação motora, sendo causada pela alteração de um gene. 
 
O trabalho desenvolvido pelos portugueses, cuja primeira autora é Ana Teresa Simões e que foi publicado no passado fim-de-semana na revista BRAIN, permitiu mostrar, em ratos, que o desenvolvimento do problema é provocado por uma molécula, a calpaína, que promove a destruição cerebral, ao fragmentar a ataxina 3, uma proteína anormal que afeta os neurónios.
 
“Verificámos que as calpaínas conseguem clivar a ataxina 3 e dão origem a fragmentos mais pequenos”, o que lhes facilita a migração para o núcleo das células onde se tornam “particularmente tóxicos, o que vai contribuir para a progressão da doença”, explicou Luís Pereira de Almeida.

Cientistas têm esperança na cura

 
“Conseguimos ter evidências muito claras de que os fragmentos estão lá, de que, quando inibimos a clivagem, reduzimos os níveis dos fragmentos e a agregação no núcleo das células e reduzimos a patologia”, acrescentou. 
 
As experiências realizadas passaram pela inibiçãod as calpaínas através da injeção de um vírus, uma estratégia que, segundo o cientista, “envolve uma abordagem muito invasiva para ser usada na clínica”.
 
No entanto, Luís Pereira de Almeida garante que essa solução “é possível e em certas doenças já estão a ser usadas estratégias de injeção de vírus no cérebro dos doentes”. Ainda assim, a equipa está a estudar inibidores farmacológicos que possam ser administrados por via oral, de forma menos agressiva.
 
“Não temos disponível uma terapia que possa ser utilizada nos doentes nos próximos meses. Estamos a falar de coisas que podem demorar anos até chegar aos doentes [mas] temos essa esperança”, concluiu o investigador, deixando aberta a porta a um futuro tratamento da patologia.

[Notícia sugerida por Patrícia Guedes]

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close