Saúde

Portugueses avançam no tratamento da artrite

Investigadores do Instituto de Medicina Molecular (IMM) desenvolveram um importante estudo que detalha um novo tratamento que se provou eficaz no tratamento e prevenção da artrite crónica. Os testes foram efetuados em ratinhos, mas o modelo animal us
Versão para impressão
Investigadores do Instituto de Medicina Molecular (IMM) desenvolveram um importante estudo que detalha um novo tratamento que se provou eficaz no tratamento e prevenção da artrite crónica. Os testes foram efetuados em ratinhos, mas o modelo animal usado tem muitas semelhanças com a artrite reumatóide humana. O estudo foi publicado na prestigiada revista PLosOne, na passada segunda-feira.

Num processo genericamente designado por imunoterapia, os investigadores estudaram as propriedades terapêuticas do anti-CD4, um anticorpo que bloqueia a molécula CD4 na superfície dos glóbulos brancos.

Os resultados revelam um efeito protetor de longa duração que não só previne o aparecimento de artrite nos pequenos roedores, como também impede a progressão da doença nos animais já afetados.

“Esta não é a primeira vez que se usam anticorpos deste tipo como terapia para doenças auto-imunes, mas os resultados têm sido modestos. Daí a relevância de mostrar que esta terapia pode ser eficaz na prevenção de um modelo animal de artrite reumatóide”, explica o investigadores do IMM que liderou o estudo, Luís Graça, à agência Lusa.

Após a pesquisa de inflamações nas articulações e a quantificação de moléculas características de processos inflamatórios nos ratinhos, os investigadores concluiram que o tratamento com o anti-CD4 favorece a imunotolerância, ou seja, dificulta o desenvolvimento de doenças auto-imunes.

Além disso, a capacidade de resposta do sistema imunitário não fica comprometida face a outros agentes inflamatórios ou infecciosos externos – imunocompetência.

A artrite reumatóide é uma doença auto-imune crónica que provoca a inflamação e destruição das articulações. O doente sofre, assim, de incapacidade progressiva e pode até morrer prematuramente. O aparecimento da doença é causado não só pela predisposição genética, mas também por outras causas ambientais.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close