Saúde

Portugueses avançam no tratamento da artrite reumatóide

Uma equipa de investigadores do Centro de Neurociências e Biologia Celular (CNC) e da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra (FMUC) acaba de anunciar uma descoberta importante para o tratamento da artrite reumatóide.
Versão para impressão
Uma equipa de investigadores do Centro de Neurociências e Biologia Celular (CNC) e da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra (FMUC) acaba de anunciar uma descoberta importante para o tratamento da artrite reumatóide. 
 
Os cientistas portugueses descobriram que as células do sistema imunitário T CD8, produzidas pelo timo (órgão linfóide situado junto ao coração) para defender o organismo de infeções, estão alteradas nos pacientes que sofrem desta doença, contribuindo para a sua manutenção, tanto no sangue como nas articulações. 
 
Por se tratar de uma doença crónica que provoca a destruição das articulações e a invalidez progressiva, a procura de novas respostas clínicas “continua a ser um objetivo nuclear, apesar dos notáveis progressos já na última década”, realça José António Pereira, especialista da FMUC, que conduziu o estudo que levou a esta descoberta, em comunicado enviado ao Boas Notícias.
 
A investigação realizada pelos especialistas nacionais com modelos animais e, posteriormente, com 96 doentes do Serviço de Reumatologia do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), comprovou que, na artrite reumatóide, as T CD8 perdem a tolerância imunológica e destroem as células erradas, ou seja, matam as células boas da articulação. 
 
Além disso, em experiências com ratinhos, a remoção das células T CD8 do organismo resultou em “melhorias muito significativas”, afirma Helena Carvalheiro, principal autora do artigo científico publicado na revista internacional Arthritis & Rheumatology a propósito desta investigação.
 
Segundo a cientista, os resultados  da Universidade de Coimbra “abrem portas para o desenvolvimento de novos alvos terapêuticos com foco nestas células que estão a matar as células erradas porque perderam a capacidade de distinguir o que é estranho daquilo que faz parte do organismo”. 
 
A investigação, financiada pelo programa de bolsas europeias Marie-Curie e por um laboratório da indústria farmacêutica, vai agora focar-se em “selecionar as vias moleculares intracelulares das T CD8 que podem ser modificadas com fins terapêuticos”. 
 
“Vamos avaliar como funcionam os sinais dentro destas células, através da análise genética, identificar os que estão alterados e proceder à sua reparação para que todas as peças voltem a funcionar em favor do doente”, adianta Helena Carvalheiro.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close