Ambiente

Português concebe transporte que flutua sobre nuvens

NULL
Versão para impressão

Todos já tivemos vontade de, uma vez na vida, fazer uma viagem sem destino ou horários rígidos. Foi a pensar nisso que Tiago Barros, um arquiteto português de sucesso no estrangeiro, projetou aquele que se considera ser o transporte mais sustentável de sempre, um género de zepelim que flutua sobre as nuvens ao sabor do vento.

O Passing Cloud é um projeto, definitivamente, inovador. Numa altura em que o estilo de vida não deixa espaço para sair dos horários e da rotina, este transporte pretende mudar a forma como as viagens são vistas. A ideia é simples e já recebeu muitos aplausos no panorama internacional.

“É um objeto em forma de nuvem que tem a capacidade de subir à altura desejada através da injeção de ar quente e descer à terra através da injeção de ar frio. Na sua essência, é o vento que empurra a Passing Cloud”, contou o autor ao Boas Notícias.

Apesar do vento ser o “motor” do transporte, os passageiros usufruem de uma viagem calma, em que não são sentidas oscilações, parecendo que estão a flutuar.

Viajar ao sabor do vento sem destino

A ideia foi concebida para os Estados Unidos, como resultado de um concurso: “O projeto foi desenvolvido para um concurso internacional de ideias para sugerir propostas alternativas para a construção do TGV pelos EUA”.

“A esta altura, seria uma desgraça retalhar o país ainda mais, daí esta ideia ecológica que minimiza bastante o impacto do 'carbon footprint' (pegada de carbono) no Mundo”, acrescenta. Por isso, o Passing Cloud “é a antítese do TGV… É como sair de casa à aventura, sem saber para onde ou quanto tempo demora”.

“Porquê viajar a alta velocidade? Porquê ter o destino sempre definido? E porquê ter sempre as partidas e chegadas rigidamente programadas?”. São estas as perguntas que Tiago coloca no texto de apresentação e às quais responde com o Passing Cloud cujo objetivo é fazer as pessoas reconsiderarem o ato de viajar.

Este género de zepelim é constituído por um conjunto de vários balões que unidos formam uma nuvem. O Passing Cloud é formado por uma estrutura de aço inoxidável coberta com tecido de nylon bastante pesado. Os desenhos até agora criados estimam que tenha dimensões semelhantes à de um estádio de futebol, disse Tiago Barros.

Transporte pode salvar vidas em situações de emergência

Mas esse não é o único interesse do autor. “O potencial de um objeto destes é fantástico, pois poderia ser utilizado em situações de emergência, como terramotos, ou para levar passageiros a locais antes impossíveis de lá chegar, ou mesmo para elevar os passageiros para alturas elevadas com vistas fabulosas sobre a paisagem”, garante o arquiteto.

Apesar de, até ao momento, o projeto estar apenas no papel e do autor confessar que “ainda é muito cedo para avançar com números” relativos a custos de investimento, o arquiteto está disponível para receber propostas.

Tiago Barros tirou o bacharelato em Arquitetura na Universidade Lusíada, em Lisboa e continuou a sua formação no estrangeiro. O português trabalhou também em Londres no Research and Development – Advanced Modeling da Aedas Architects. Participou ainda no investimento Abu Dhabi Investment Council Headquarters e fez parte da equipa do World Trade Center Memorial Museum.

Para ver mais imagens do Passing Cloud visite o site de Tiago Barros, clicando aqui.

[Artigo corrigido a 02/11/2011 às 17h40]

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close