i9magazine

Portugal está preparado para a digitalização das empresas

Versão para impressão

O estudo Enabling Digitalization Index (EDI) 2018 apresenta a capacidade de cada país de criar as condições necessárias para o sucesso dos negócios numa economia global cada vez mais digitalizada.

Numa escala de 0 a 100, foram analisados 115 países, tendo em conta parâmetros como: regulamentação (flexibilidade para a digitalização), conhecimento (qualificação na formação e educação superior dos colaboradores das empresas e investimento das empresas em projetos de I&D e parcerias universitárias), conectividade (redes seguras e acessíveis para a transformação digital), infraestruturas (rede de internet, servidores seguros e subscrições a telefones e telemóveis) e, por último, dimensão do mercado (número de utilizadores de internet e o seu rendimento).

Portugal a subir em relação ao ano passado

Portugal situa-se em 32º lugar no ranking, destacando-se essencialmente pela sua regulamentação, pelo nível de conhecimento e pela conectividade. Tendo em conta o universo de países que constituem a União Europeia, verificamos que Portugal está posicionado em 17º lugar. Esta posição é afetada pela pontuação atribuída a dois parâmetros: dimensão do mercado e infraestruturas. No entanto, é de assinalar que relativamente aos aspetos regulamentares Portugal (82,6) situa-se acima de França (81,3) e da Bélgica (73,3) e compara muito bem com a Espanha (82,9). Também no que respeita ao parâmetro “conhecimento”, Portugal (61,6) situa-se acima de Espanha (58,7) e Itália (59,8). No que respeita aos países da OCDE, Portugal situa-se em 26º lugar no ranking.

EUA no topo do mundo digital

Os Estados Unidos lideram o ranking da flexibilidade para a digitalização, com uma pontuação de 87 em 100. O país beneficia de um amplo mercado, um forte ecossistema de conhecimento e um ambiente de negócio favorável – três grandes áreas alinhadas com as condições da transformação digital.

Europa Ocidental: os benefícios do mercado único?

A Europa Ocidental destaca-se pela criação do ambiente certo para os negócios vingarem na era digital, com 16 países europeus posicionados no top 30. Quatro destes chegaram mesmo ao top 5: a Alemanha, a Holanda, a Suíça e o Reino Unido. Estima-se que a região terá beneficiado da construção da União Europeia: práticas de negócio alinhadas, infraestrutura logística avançada e um ecossistema de conhecimento mais forte.

O caso mais surpreendente foi o da Alemanha, que se posicionou como o segundo melhor com uma pontuação global de 75,3, e tornando-se líder na Europa. Os efeitos da digitalização são menos visíveis que nos EUA (agentes menos fortes no mercado global), mas tanto a Alemanha como a Holanda, demonstram ter bases robustas, com um ecossistema de infraestruturas logísticas, de conectividade de know-how sólidas.

Este relatório também destaca alguns padrões que se verificaram na região dos países Nórdicos, com um ambiente de inovação e conhecimento sólido, polos financeiros e de comércio pequeno que beneficiam de infraestruturas logísticas e um ambiente propício ao negócio, ao invés dos grandes países da Europa que ocupam uma maior quota de mercado.

Ásia-Pacífico: Campeões e estrelas em ascensão

A região da Ásia-Pacífico também demonstra apoiar a transformação digital: dos 30 mercados melhor posicionados no ranking, 8 são da Ásia-Pacífico – Japão (7º), Singapura (8º), Hong Kong (9º), Coreia do Sul (10º), China (17º), Austrália (20º), Nova Zelândia (22º) e Malásia (30º)

 As melhorias registadas na Tailândia, Índia e Indonésia destacam-se face ao ano passado; estas são as nossas quatro estrelas em ascensão da região. Sendo um gigante demográfico, a China beneficia muito da dimensão do seu mercado e só não se encontra melhor posicionada devido à fraca qualidade da conectividade.

América Latina, Médio Oriente e África: Em atraso, apesar dos focos de inovação

Na América Latina, a fraca conectividade, falta de infraestrutura logística e de inovação são os principais obstáculos. Destacam-se o Chile (43º) e o México (52º), graças às condições propícias ao negócio que criaram e à significativa dimensão de mercado do México.

No Médio Oriente, os Emirados Árabes Unidos lideram (24º), com uma impressionante pontuação no que toca à infraestrutura devido a sua posição enquanto pólo comercial, enquanto, a Arábia Saudita, por outro lado, se posiciona no 50º lugar e o Egito no 80º.

Em África, a África do Sul (46º) vai na frente. O país africano a seguir-se no ranking é o Quénia (70º), que deve a sua pontuação ao desempenho ao nível das infraestruturas. A Nigéria ocupa o 100º lugar, entre os 115 países avaliados, apesar da dimensão substancial do seu mercado.

Desenvolver regulamentação digital, construir capital humano, utilizar setores e territórios-chave, apostar nas estratégias logísticas e reduzir as desigualdades digitais são cinco das estratégias mais tidas em conta neste estudo.

Para saber mais sobre o Enabling Digitalization Index (EDI) 2018 clique aqui.

O conteúdo Portugal está preparado para a digitalização das empresas aparece primeiro em i9 magazine.

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close