Saúde

Portugal é pioneiro na reconstrução de mandíbula

Uma equipa do Centro Hospitalar de Gaia/Espinho liderada pela equipa de Horácio Costa realizou uma cirurgia inédita de reconstrução de mandíbula a quatro crianças portuguesas a quem havia sido removida a mandíbula na sequência de um tumor.

Versão para impressão
Uma equipa do Centro Hospitalar de Gaia/Espinho liderada pela equipa de Horácio Costa realizou uma cirurgia inédita de reconstrução de mandíbula a quatro crianças portuguesas a quem havia sido removida a mandíbula na sequência de um tumor.

O osso foi assim reconstruído a partir de um pedaço ósseo da zona da bacia ou do perónio, que mantém a capacidade de crescimento, e aplicou-o no rosto das crianças, permitindo assim que o transplante continue a crescer com o resto dos ossos, conforme noticia o jornal Público.

Três destas crianças, de 9, 11 e 14 anos foram operadas no ano passado e a última, a de dez anos, foi operada há uma semana. Todas elas se encontram a recuperar bem, de acordo com Horácio Costa, director do Serviço de Cirurgia Plástica Reconstrutiva e Maxilo-Facial do Centro Hospitalar de Gaia/Espinho.

De acordo com nota de imprensa do centro Hospitalar Gaia/Espinho, se tivessem sido aplicadas as técnicas cirúrgicas habituais, como o retalho ósseo simples ou a aplicação de uma placa de titânio e parafusos, as crianças teriam uma grande perda óssea, o que implicaria uma deformação facial imediata.

Mais tarde, essa deformação iria ainda acentuar-se por falta de crescimento do transplante em relação ao resto dos ossos do rosto. Para evitar essa grande assimetria, teria de se esperar que os ossos da face atingissem o crescimento quase completo – que nas mulheres é entre os 16 e os 17 anos e nos homens entre os 17 e os 18 -, com todas as consequências dessa espera em quem não tem grande parte da mandíbula.

Horácio Costa acrescentou que as quatro crianças intervencionadas vão continuar a ser acompanhadas pela mesma equipa de médicos para verificar a taxa de crescimento do esqueleto facial, em particular do osso transplantado. Até que a mandíbula atinja todo o crescimento, as crianças terão uma prótese dentária; depois disso poderão fazer implantes dentários no próprio osso transplantado.

[Notícia sugerida pelos utilizadores Alexandra Maciel e Vítor Fernandes]

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close