Inovação e Tecnologia

Portugal constrói aeronave inovadora e sustentável

NULL
Versão para impressão
Um dirigível capaz de permanecer meses no ar e 100 por cento livre de emissões de CO2 foi construído na Maia, numa fábrica têxtil. Depois de quatro anos de trabalho o “Nature Friendly Airship Program” está pronto para o encontro com o mundo e com potenciais investidores, conforme avança o jornal Público.

A ideia de criar este dirigível de última geração partiu de Cassiano Rodrigues, ex-piloto e dono da empresa de aviação Nortávia e da fábrica Rodrilinea, onde a aeronave foi construída.

Com uma equipa de sete profissionais e um investimento de quase dois milhões de euros, a Nortávia está pronta para mostrar ao mundo o seu NFAP – Nature Friendly Airship Program, um dirigível aéreo pioneiro a nível mundial.

Este projeto tem muitas vantagens a seu favor a começar pelo facto de ser  versátil, podendo chegar onde mais nenhum meio de transporte chega. A aeronave tem capacidade para estar no ar horas, dias ou meses com um número de pessoas que pode variar de acordo com a escala em que for costruído.

O dirigível português prima ainda pela segurança, já que é feito à prova de queda e usa o material mais inerte de todos, o hélio, que não é inflamável nem explode, ao contrário do hidrogénio.

Além disso é sustentável, com uma pegada de carbono nula, já que é exclusivamente alimentado por energia elétrica gerada a partir de um sistema inovador que junta um gerador de biocombustível, baterias, células fotovoltaicas e um motor eléctrico. Pode também ser conduzido autonomamente, sem necessidade de incluir piloto a bordo, conforme explica o jornal Público.

Inicialmente a ideia de Cassiano Rodrigues era usar este dirigível para fins o turísticos, mas atualmente a equipa acredita que esta aeronave pode servir muitos outros fins. “Lembrámo-nos das missões de vigilância da floresta, da orla costeira, dos pipelines de petróleo”, acrescenta Hugo Palma, da direção de Investigação e Desenvolvimento da Nortávia ao jornal Público.

Este projeto contou com um co-financiamento comunitário do Programa Operacional Regional do Norte, o ON.2, de cerca de 500 mil euros. A Comissão de Coordenação e Desenvolvimento da Região Norte (CCDR-N) tem acompanhado e facilitado o acesso do projeto aos financiamentos comunitários e pretende continuar a contribuir para o desenvolvimento de um modelo de exploração, com objetivos de industrialização e comercialização.

[Esta notícia foi sugerida pelos utilizadores Vitor Fernandes e Patrícia Guedes]

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close