Sociedade

Porto: Reabilitação gratuita já está a ser implementada

Já começou a ser implementado oficialmente o projeto "Arrebita! Porto", que promete reabilitar edifícios degradados do centro histórico do Porto a custo zero. O programa envolve estudantes, arquitetos, engenheiros e empresas.
Versão para impressão

Já começou a ser implementado oficialmente o projeto “Arrebita! Porto”, que promete reabilitar edifícios degradados do centro histórico do Porto a custo zero. O programa envolve estudantes, arquitetos, engenheiros e empresas, tanto do âmbito nacional como internacional.

O “Arrebita! Porto” arrancou oficialmente esta quarta-feira, na Câmara Municipal do Porto, mediante a assinatura de um protocolo entre os parceiros envolvidos, entre os quais a Fundação Gulbenkian, a CM do Porto e a Porto Vivo – Sociedade de Reabilitação Urbana da Baixa Portuense.

Os fundadores do projeto querem contrariar a tendência revelada pelos dados do Census 2011, que indicam que, só na última década, o centro do Porto perdeu um terço da sua população, em parte devido ao estado de abandono em que se encontram os edifícios.

Dinheiro em segundo plano

A equipa, constituída maioritariamente por jovens, está a mobilizar um esquema colaborativo, que não envolve a mobilização de dinheiro, e com o qual todas as partes envolvidas beneficiam.

Esta solução permite que, por um lado, os proprietários mais carenciados têm o seu problema resolvido. Por outro oferece a estudantes, portugueses e estrangeiros, a possibilidade de pôr em prática aquilo que aprenderam.

Além disso, as universidades podem analisar novos casos de estudo e as empresas doam material e serviços de acordo com o regime previsto de mecenato social (que lhes permite deduzir custos de IRC).

O objetivo é, de acordo com as declarações de José Paixão à agência Lusa, deixar para segundo plano “o uso do dinheiro na aquisição de valor” e garantir que o investimento seja feito com base “em trocas e contrapartidas de serviços”.

O jovem de 28 anos, formado em Londres, está agora na sua terra natal a desenvolver o projeto com o qual venceu 50 mil euros e o título de vencedor da primeira edição do FAZ – Ideias de Origem Portuguesa, uma iniciativa da Fundação Calouste Gulbenkian e da Fundação Talento.

Projeto-piloto na Rua da Reboleira

Para já, a ideia vai começar a ser aplicada num projeto-piloto que envolve a reabilitação do edifício 42-46 da Rua da Reboleira, situado na zona da Ribeira.

Ao Porto já chegaram cinco estudantes internacionais que vão iniciar o projeto com os trabalhos de limpeza e levantamento do edifício, para depois ser iniciada a reabilitação propriamente dita, prevista para setembro de este ano.

Os pisos superiores do edifício deverão destinar-se à habitação em regime social e, os restantes, à incubação de uma empresa start-up de indústrias criativas. A obra deverá terminar em 2014.

Se tudo funcionar como previsto, serão depois reabilitados outros edifícios do Porto, espera José Paixão, também de outras cidades.

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close