Fitness & Bem-estar

"Porto é uma festa da nostalgia", diz El País

Uma cidade cheia de memórias do passado e onde se pode ver a livraria e a estação de comboios mais bonitas do mundo. O jornal de referência espanhol El País publicou, na semana passada, um extenso artigo sobre a cidade do Porto.
Versão para impressão
Uma cidade cheia de memórias e onde se pode ver a livraria e a estação de comboios mais bonitas do mundo. O jornal de referência espanhol El País publicou, na semana passada, um extenso artigo sobre a cidade do Porto. 
 
A autora começa por visitar a Torre dos Clérigos, a mais alta de Portugal depois da Torre Vasco da Gama, em Lisboa, sublinhando a vista que oferece sobre a cidade. “Parece que todos os telhados do Porto disputam um lugar para se debruçarem sobre o rio Douro”, diz Ana Esteban.
 
Em baixo, vê-se a Praça da Cordoaria, com as suas lojas centenárias, como a Casa Oriental, onde as pessoas compram um pouco de tudo, desde chá a fruta.
 
O passeio da cronista do El País prossegue pelo Jardim das Oliveiras e pela rua das Carmelitas, com paragem obrigatória na Livraria Lello “que dizem ser uma das mais belas do mundo”. Aqui, entre a “luz dourada e as paredes ricamente” adornadas “os livros parecem joias”.
 
Ali perto, Ana Esteban aproveitou para visitar a Fundação Eugénio de Andrade que em tempos foi a casa do poeta. “O Porto é só a pequena praça onde há tantos anos aprendo metodicamente a ser árvore “, lê-se numa passagem do artigo que cita Eugénio de Andrade.

A Invicta está “livre da monotonia” das outras cidades

A jornalista espanhola percorre ainda a Rua do Carmo, através da praça Gomes Teixeira onde brilha a igreja de estilo barroco homónima, com “uma fachada em tons azuis e onde se pode subir a bordo de um dos antigos elétricos que ainda circulam na cidade”.


O roteiro do El País destaca também as praças da cidade – a praça da Cordoaria, da Batalha e a Praça da Liberdade – que “prolongam os seus braços” pela Avenida dos Aliados e a Rua de Santa Catarina.

A preservação das fachadas 'vintage' das lojas e dos bares, com os seus neóns dos anos 50, remetem a autora do artigo para memórias de infância que correm “o risco de se extinguirem”. “As ruas do Porto estão livres da impessoal monotonia que se sente nas nossas cidades, e são assim uma festa da nostalgia”.

Quanto à estação de São Bento e a sua estrutura de ferro é descrita, no artigo, como uma das mais belas do mundo, tal como a livraria já referida.

O passeio prossegue pelo bairro da Sé com a sua “amalgama de telhados velhos que descem até à Ribeira” e onde a jornalista ser “perdeu por ruazinhas que escondem tabernas de fado e vielas como nomes como Escadas das Verdades”.
 
A terminar, Ana Esteban quis provar os vinhos das caves de Vila Nova de Gaia, atravessando a ponte Dom Luís observando o reflexo da cidade nas aguas do Douro. “Já não sei se gosto mais do Porto visto de cima ou agora, com a promessa de um copo (das caves) visto aqui debaixo”, conclui o artigo.
 

Notícia sugerida por Maria da Luz

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close