Saúde

Pílula “multifunções” contra ataque cardíaco e AVC

Uma pílula "multifunções" desenvolvida por investigadores britânicos tem potencial para reduzir o risco de ataque cardíaco e acidente vascular cerebral (AVC) em pessoas com mais de 50 anos, atuando sobre os níveis de colesterol e pressão arterial.
Versão para impressão
Uma pílula “multifunções” desenvolvida por investigadores britânicos tem potencial para reduzir o risco de ataque cardíaco e acidente vascular cerebral (AVC) em pessoas com mais de 50 anos, atuando sobre os níveis de colesterol e pressão arterial e conduzindo à sua redução.
 
O fármaco em questão, que a equipa denominou “polipílula”, insere-se numa investigação conduzida pelo Wolfson Institute of Preventive Medicine e a London School of Medicine & Dentistry, parte integrante da Universidade de Londres, no Reino Unido.
 
Em comunicado divulgado pelo portal ScienceDaily, os cientistas explicam que a pílula consiste num comprimido com três camadas, contendo três medicamentos que reduzem a pressão arterial e uma quarta substância destinada a diminuir o colesterol.
 
Durante o estudo, publicado na revista científica PLoS ONE, os investigadores administraram a “polipílula” (Polypill, em inglês) a um grupo de pessoas com idade igual ou superior a 50 anos sem qualquer histórico de doenças cardiovasculares. Os envolvidos beneficiaram de uma redução de 12% na pressão arterial e de 39% no colesterol LDL – o chamado “mau colesterol”, alcançando níveis que são típicos de pessoas com 20 anos.
 
“As implicações dos nossos resultados para a saúde são enormes”, afirmou David Wald, coordenador principal do ensaio clínico. “Se as pessoas tomarem a polipílula a partir dos 50 anos, cerca de 28% conseguirá evitar ou atrasar um ataque cardíaco ou AVC ao longo da sua vida”, acrescentou, salientando que “em média, o comprimido permite ganhar 11 anos de vida sem sofrer com estes problemas”.
 
Este foi o primeiro ensaio clínico realizado na área que selecionou os voluntários apenas com base na idade, sem a realização de quaisquer testes ou exames médicos, com o objetivo de garantir o funcionamento do fármaco para prevenção dos ataques cardíacos ou dos AVC's na população em geral e não em grupos específicos de pacientes.
 
Nicholas Wald, diretor do Wolfson Institute of Preventive Medicine e inventor da “polipílula”, garantiu que, agora, a equipa precisa de apoio “público, profissional e regulatório” para disponibilizar o medicamento “sem demoras”.
 
“Os benefícios são demasiados para serem ignorados. Se somente 50% das pessoas do Reino Unido com 50 ou mais anos tomarem o medicamento, cerca de 94 mil ataques cardíacos e AVC's por ano poderão ser prevenidos anualmente”, concluiu.

Clique AQUI para aceder ao estudo publicado na PLoS ONE (em inglês).

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close