Mundo

Piloto atrasa voo para avô ir ao funeral de neto

Atrasos de minutos na partida de aviões em companhias aéreas podem gerar prejuízos
monetários. Contudo essa condição não impediu o piloto da companhia aérea Southwest Airlines, nos EUA, atrasar o voo a seu cargo em 12 minutos para possibilitar a p
Versão para impressão
Atrasos de minutos na partida de aviões em companhias aéreas podem gerar prejuízos monetários. Contudo essa condição não impediu o piloto da companhia aérea Southwest Airlines, nos EUA, atrasar o voo a seu cargo em 12 minutos para possibilitar a presença de um avô no funeral do neto de três anos, morto em circunstâncias trágicas.

Apesar de ter chegado duas horas antes do voo, Mark deparou-se com filas e demoras intermináveis nas filas de segurança. Quando passou a revista final correu mesmo de sapatos na mão para conseguir chegar a tempo.

“Quando os seguranças terminaram, ele agarrou na mala do computador, nos sapatos e cintos e correu descalço para o terminal”, revelou Nancy, a mulher do homem citada pelo Daily Mail.

O voo tinha partida prevista para 11h50, Mark já ia 12 minutos atrasado. Quando chegou à linha de embarque foi surpreendido pelo próprio piloto: “É o senhor Mark Dickinson? Segurámos aqui o avião à sua espera e queríamos apenas dizer-lhe que lamentamos muito pela perda do seu neto”.

Surpreendido com o gesto do piloto, Mark Dickinson respondeu que nunca lhes poderia agradecer o suficiente. O piloto respondeu: “Eles não vão a lugar nenhum sem mim, e eu não ia para lado nenhum sem o senhor. Agora relaxe que vamos lá chegar”, disse o piloto que estava a par do caso. O neto de Mark Dickinson, Cadden, morreu aos três anos às mãos de um padrasto negligente que foi , entretanto, acusado de homicídio em primeiro grau.

Foi a mulher de Dickinson que tornou a história pública. Não sabem como é que o piloto e restantes sabiam que o avô estava em risco de perder o avião, mas “estão gratos pelo gesto”.

A Companhia aérea já fez saber que “se orgulha” da atitude tomada pelo piloto que mostrou compaixão num momento tão delicado. Segundo a mulher de Dickinson, se o marido não se pudesse ter reunido com a filha num momento tão dramático era apenas tragédia acima de tragédia.

Assim a família pôde estar reunida no enterro do pequeno Cadden cujos órgãos foram doados a 25 pessoas diferentes nos EUA que terão de certa forma, também elas, uma segunda oportunidade.

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close