Ciência

Paralisia: Investigação abre caminho à regeneração

Um nova investigação britânica descobriu um método capaz de promover a regeneração dos tecidos da espinal medula, o que poderá abrir caminho à cura de paralisias.
Versão para impressão

Investigadores britânicos descobriram um método capaz de promover a regeneração dos tecidos da espinal medula que poderá abrir caminho à cura de paralisias. A técnica consiste na modificação dos açúcares de cadeia longa que impedem a regeneração destes nervos. A investigação foi publicada no The Journal of Neuroscience mas ainda vai passar pela fase de testes em animais.

O principal desafio no tratamento das lesões da coluna resulta do facto do tecido lesionado da espinal medula criar uma barreira impenetrável que impede a regeneração dos nervos. Isto conduz às paralisias irreversíveis associadas a estas lesões (quadriplegia e paraplegia). 

Uma maneira de reparar estas lesões nervosas é fazer um transplante de células dos nervos periféricos da espinal medula, as chamadas células de Schwann, para os nervos de suporte central. No entanto, a equipa de investigadores britânicos, percebeu que estas células segregam açúcares de sulfato de heparano, que criam cicatrizes que frustram a eficácia da reparação dos nervos danificados.

Ao tentar contornar o problema, a investigação liderada por Jennifer Higginson (Universidade de Glasgow) e Jerry Turnbull (Universidade de Liverpool) conseguiu descobrir um método de inibir esta cicatrização negativa: modificando quimicamente os açúcares de sulfato com outros açucares (as heparinas) que impedem a reação cicatrizante, abrindo assim novas oportunidades para a regeneração dos nervos.

 “Descobrimos que alguns açúcares provocam reações de cicatrização mas através da manipulação em laboratório com a ajuda de outros açucares (as heparinas), podemos prevenir este processo, pelo menos nos modelos computacionais,” explica Jerry Turnbull, acrescentando que agora a investigação tem de ser confirmada através de testes em animais.

Clique AQUI para consultar o resumo do estudo no The Journal of Neuroscience (em inglês).

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Mais recentes

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close