Negócios e Empreendorismo

Papel luso feito de roupa velha já está em 10 países

A Moinho já tinha sido apresentada pelo Boas Notícias. Mas desde essa altura, a empresa cresceu. Tem novos clientes dentro e fora do país e novos produtos, como o papel de sementes que, depois de plantado, se transforma em florezinhas e relva.
Versão para impressão
A Moinho já tinha sido apresentada pelo Boas Notícias. Mas desde essa altura, a empresa cresceu. Tem novos clientes dentro e fora do país e novos produtos, como o papel de sementes que, depois de plantado, se transforma em florezinhas e relva.

por Patrícia Maia
 
Os fundadores da Moinho pegaram numa fábrica de papel de Vouzela, que estava quase parada, e adaptaram uma das máquinas disponíveis para, em vez de celulose, transformar pasta de algodão em papel.

“Foi uma inovação porque habitualmente o papel de algodão é feito de forma manual”, explica o Rui Silva, administrador da empresa, ao Boas Notícias, garantindo que a máquina preserva a textura e a qualidade do método manual.


A inovação será um dos aspetos que mais contribui para o sucesso da Moinho, que todos os anos tem vindo a aumentar o catálogo de papel, blocos, embalagens e envelopes com novas soluções.

É o caso do papel de sementes que, depois de usado, pode ser semeado na terra fazendo nascer flores campestres e relva. Entusiasmada com este papel que “floresce”, a FNAC assinou um contrato com a Moinho para produzir uma série limitada de blocos de notas, assinados pelo designer e ilustrador Gonçalo Viana, que vêm com um destacável de papel de sementes para plantar. Este caderno estará à venda nas lojas FNAC já a partir do dia 20 de Abril. 

120 toneladas por ano
 
Os desperdícios da indústria têxtil e restos e roupa velha são a matéria-prima da Moinho, empresa que neste momento conta com 14 funcionários e já exporta para nove países europeus. Rui Silva sublinha o crescimento exponencial da Moinho que “começou a produzir 12 toneladas de papel por ano e agora já fabrica 120 toneladas anualmente”. 
 
Além da vertente ambiental e sustentável, a Moinho orgulha-se de produzir um papel de elevada qualidade, mais resistente e versátil do que o papel de celulose. 
 
Moinho
Máquina que prensava pasta de celulose foi adaptada pela Moinho para prensar pasta de algodão, obtendo um papel que preserva a textura do papel manual

 
“O papel de algodão é milenar e se hoje temos manuscritos que ainda estão em bom estado é porque eram feitos de papel de algodão. O papel de celulose começa a envelhecer e a desfazer-se ao fim de poucos anos. Já os artistas escolhem papel de algodão por causa da textura e da forma como reage as cores”, explica Rui Silva. 
 
Uma das apostas da Moinho são as feiras internacionais onde têm obtido uma reação “muito positiva”. “Na última feira, a Paper World, em Frankfurt, fizemos 248 contactos de 72 países que já estamos a desenvolver”, conclui Rui Silva.

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close