Saúde

Pacemakers de 2ª geração em Portugal

Esta sexta-feira, sete hospitais de Norte a Sul do país realizaram a primeira colocação de pacemakers de segunda geração com tecnologia digital, totalmente desenhados, testados e aprovados para a realização de exames de ressonância magnética.
Versão para impressão
Esta sexta-feira, sete hospitais de Norte a Sul do país realizaram a primeira colocação de pacemakers de segunda geração com tecnologia digital, totalmente desenhados, testados e aprovados para a realização de exames de ressonância magnética.

Os Hospitais de Guimarães, Santarém, Santa Marta, Santa Maria e Pulido Valente (em Lisboa), Santo António (no Porto) e também os Hospitais da Universidade de Coimbra foram os primeiros a colocar este novo sistema de pacing de segunda geração, com um algoritmo capaz de fazer a monitorização contínua de insuficiência cardíaca.

Os tradicionais pacemakers impunham muitas limitações aos pacientes que necessitassem de realizar exames de ressonância magnética, que constituem, muitas vezes, o único método de diagnóstico para certas condições clínicas, como frisa João Primo, médico eletrofisiologista e presidente da APAPE (Associação Portuguesa de Arritmologia, Pacing e Electrofisiologia).

“Até agora, os portadores de pacemakers não podiam utilizar com máxima segurança um dos principais meios de diagnóstico de doenças oncológicas e neurológicas, o exame de ressonância magnética. Este dispositivo vem trazer nova esperança aos portadores de pacemakers, que a partir de agora vão poder realizar exames de ressonância magnética de corpo inteiro sem qualquer limitação”, explica o clínico em comunicado.

Na Europa, aproximadamente dois milhões de pessoas já colocaram pacemakers e estima-se que 50 a 75% dos portadores deste dispositivo médico em todo o Mundo venham a necessitar de realizar uma ressonância magnética ao longo da sua vida.

Contudo, até ao momento, já foi recusada a realização de exames de ressonância magnética a muitos doentes devido à possível ocorrência de arritmias, eventual danificação do pacemaker e risco de morte.

“A grande adesão dos hospitais portugueses a este implante multicêntrico demonstra a necessidade e a importância para a comunidade médica de um pacemaker aprovado para ressonância magnética”, reforça João Primo.

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close