Ciência

Ouro pode combater as células cancerígenas

Cientistas da Universidade de Leeds, em Inglaterra, usaram nanotubos de ouro, em ratos, para combater o cancro. Nesta experiência, provou-se que este material consegue, ao mesmo tempo, detetar células cancerígenas, transportar medicamentos e atacar a
Versão para impressão
Cientistas da Universidade de Leeds, em Inglaterra, usaram nanotubos de ouro, em ratos, para combater o cancro. Nesta experiência, provou-se que este material consegue, ao mesmo tempo, detetar tumores, transportar medicamentos e atacar as células cancerígenas. O estudo foi publicado na passada sexta-feira na revista Advanced Functional Materials.

O responsável pela equipa de investigação, Sunjie Ye, explica que as pequenas partículas de ouro têm a mesma eficácia que os tratamentos convencionais de quimio e radioterapia, uma vez que conseguem agregar o diagonóstico e a terapia num único sistema.

“As taxas de reincidência de um tumor são altas, mesmo após a remoção de um, constituindo um enorme desafio na luta contra o cancro. A quimio ou a radioterapia são as alternativas que geralmente são oferecidas após a remoção de um tumor, mas estes tratamentos podem causar sérias consequências”, explica o investigador, citado pelo comunicado divulgado pela mesma instituição.

Nanotubos não oferecem perigos para a saúde

O comprimento dos nanotubos usados nesta investigação foi controlado de forma a terem a dimensões certas para absorverem um tipo de radiação infravermelha, a NIR ('Near Infrared' em inglês), e que é captada em parte pela pele humana.

“Quando estes nanotubos viajam ao longo do corpo, eles brilham juntamente com esta radiação e absorvem-na. Esta energia é transformada em calor semelhante àquele que é gerado pelo Sol ou pela pele e, usando um raio laser, a temperatura em redor dos nanotubos aumenta rapidamente”.

“Esta subida torna-se determinante para destruir as células malignas”, explica outro dos responsáveis pelo estudo, Steve Evans.

O ajustamento do brilho do raio laser permite controlar o modo como as nanopartículas de ouro combatem as células do cancro. Por fim, estas partículas não constituem quaisquer perigos para a saúde já que são expulsas juntamente com as fezes.

A sua atividade dentro do corpo humano foi observada através de uma nova técnica, a 'tomografia optoacústica multiespectral', semelhante às radiografias, que conseguiu detetar o ouro no organismo dos ratinhos.

De acordo com o mesmo comunicado, esta é a primeira aplicação biomédica que usa nanotubos de ouro dentro de organismos vivos. Esta técnica já está a ser testada e em breve, começará a ser usada em estudos clínicos precoces.

Notícia sugerida por Maria da Luz

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close