Mundo

ONU: PALOP evoluem na Saúde e Educação

NULL
Versão para impressão
O relatório de 2011 dos Objetivos de Desenvolvimento do Milénio aponta importantes progressos nos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP), sobretudo nas áreas da Educação e da Saúde. O relatório foi divulgado, esta quinta-feira, em Genebra, na Suíça.

Os avanços na Educação e Igualdade de Género foram uma conquista em Moçambique, na Guiné e em São Tomé e Príncipe, sendo que este último foi mencionado numa lista de sete países que, segundo o relatório, “estão próximos de chegar ao objetivo da educação primária universal”.

Também Moçambique e Guiné alcançaram, juntamente com outros países africanos, progressos significativos na área da Educação tendo a percentagem de matrículas aumentado em mais de 25 pontos na década até 2009. “A abolição de taxas escolares é considerada um importante impulsionador deste rápido progresso”, segundo o referido relatório.

São Tomé e Príncipe teve as suas principais melhorias na área da Saúde. O relatório divulgou que “10 países reduziram as suas taxas de mortalidade em pelo menos metade”, referindo que Timor-Leste, juntamente com outros cinco, “registaram uma queda de 60% ou mais”.

Os oito Objetivos do Milénio, criados em 2000 na Cimeira do Milénio das Nações Unidas, tem como pressuposto “reduzir a pobreza extrema, a fome, o analfabetismo e as doenças” até 2015.

Razões para celebrar

De acordo Ban Ki-moon, Secretário-geral da ONU, “existe uma razão para celebrar, uma vez que foram alcançadas metas de sucesso desde 2000, ano em que os líderes de vários países se comprometeram a estabelecer objetivos para erradicar a pobreza, a fome, a iliteracia e as doenças”.

“Temos vindo a verificar que houve uma redução da taxa de mortalidade de mulheres que dão à luz, um aumento do acesso a água potável e uma grande parte destas populações estão protegidas de doenças mortíferas”, sublinhou Ban Ki-moon.

No entanto, o relatório aponta que ainda muito está por fazer para alcançar os objetivos do milénio, ou seja, para reduzir a pobreza, a fome, a iliteracia, as doenças. Muito trabalho e envolvimento dos líderes será necessário até 2015 para atingir as metas propostas pelo relatório.

“Até 2015 temos que assegurar que o prometido é devido. Os líderes mundiais têm que mostrar que se preocupam, mas tem que ter acoragem e a convicção para agir”, declarou Ban Ki-moon.

Clique AQUI para aceder ao relatório.

[Notícia sugerida por César Neto]

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close