Mundo

ONU: 2013 é o Ano Internacional da Quinoa

A ONU declarou 2013 o Ano da Quinoa, o ?grão de ouro? que se tem disseminado no mundo Ocidental como um ?superalimento? e nos países mais carenciados como um "aliado na luta contra a fome".
Versão para impressão
A ONU declarou 2013 o Ano Internacional da Quinoa, o ‘grão de ouro’ que é produzido há milhares de anos nos Andes e que, nos últimos anos, se tem disseminado no mundo Ocidental como um ‘superalimento’ e nos países mais carenciados como um “novo aliado na luta contra a fome”.
 
A informação foi confirmada pelo diretor-geral da organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), José Graziano da Silva, que na cerimónia de lançamento do ano destacou o papel que a quinoa pode ter na erradicação da fome, da subnutrição e da pobreza.
 
“Espero que este Ano Internacional seja um catalisador da aprendizagem sobre o potencial da quinoa para a segurança alimentar e nutricional, para a redução da pobreza – especialmente entre os pequenos agricultores do mundo – e para a agricultura ambientalmente sustentável, disse por seu lado o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, na cerimónia que decorreu quarta-feira na sede da ONU em Nova Iorque
 
Segundo a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), a quinoa é um dos alimentos mais completos que existem. Ao contrário do trigo, a quinoa não contém glúten e possui mais proteínas e fibras.

Um grão de ouro resistente, versátil e nutritivo

Também conhecida como o ‘grão de ouro’, a quinoa é o único alimento vegetal que contém todos os aminoácidos essenciais, oligoelementos e vitaminas, e tem também a capacidade de se adaptar a diferentes ecossistemas e climas.
 

Resiste à seca, aos solos pobres e de elevada salinidade, pode ser cultivada desde o nível do mar e até a uma altitude de quatro mil metros e consegue suportar temperaturas entre os oito graus negativos e os 38 graus Celsius. Esta versatilidade, sublinha a ONU, faz da quinoa uma opção alimentar viável em regiões com condições agrícolas áridas e altas taxas de malnutrição.
 
A FAO estima em mil milhões o número de pessoas afetadas pela malnutrição em 2010, quase todas nos países em desenvolvimento. Reduzir a fome, recorrendo a superalimentos como a quinoa, para metade é um dos Objetivos de Desenvolvimento do Milénio, alvo de um acordo global e com prazo até 2015.

Um alimento ancestral com mais de 7.000 anos
 

Além de Ban Ki-moon, participaram na cerimónia de lançamento do Ano Internacional da Quinoa o presidente da Bolívia, Evo Morales, e a primeira-dama do Peru, Nadine Heredia Alarcón de Humala, que foram nomeados embaixadores especiais da FAO para o Ano Internacional da Quinoa.
 
Humala destacou o papel da quinoa como uma “opção viável e efetiva para combater a fome e a subnutrição”, e sublinhou a importância do papel das mulheres na produção de quinoa. A quinoa é um alimento ancestral dos povos andinos onde o seu cultivo tem mais de 7.000 anos.
 
Tradicionalmente, os grãos de quinoa são torrados e depois transformados em farinha para pão, mas também pode ser cozinhada como acompanhamento (em vez de arroz, massa ou batatas), adicionada a sopas, usada como cereal e até fermentada em cerveja ou chicha, a bebida tradicional dos Andes. 

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close