Fitness & Bem-estar

Oficina da Psicologia: No centro da sua vida

"Viva, então como está?" Resposta 1: "Bem! A família está bem, o emprego vai andando, os miúdos tiveram notas boas." Resposta 2: "Tive uma semana péssima. Não consigo arranjar um emprego melhor, o namorado não me dá atenção e andei a dormir muito mal
Versão para impressão
[Por Madalena Lobo, Psicóloga Clínica]

Image and video hosting by TinyPic

“Viva, então como está?”
Resposta 1: “Bem! A família está bem, o emprego vai andando, os miúdos tiveram notas boas.”
Resposta 2: “Tive uma semana péssima. Não consigo arranjar um emprego melhor, o namorado não me dá atenção e andei a dormir muito mal.”

Respostas diferentes? Curiosamente, são apenas duas variações, da mesma atitude de base: olhamos para o exterior para definir se estamos bem ou não. E, ainda que isto tenha uma evidência apelativa, deixa-nos numa situação impossível: então nós não temos nenhuma interferência? Andamos chutados ao sabor do vento, sem uma palavra a dizer sobre o rumo que pretendemos? 
 
De vez em quando, vale a pena parar um pouco e reflectir sobre a centralidade que ocupamos na nossa vida. Os acontecimentos sucedem-se, por vezes, num ritmo estonteante, e permitindo uma multiplicidade de interpretações que faz com que cada um de nós os assuma de forma diferente. A Maria e a Ana tiveram ambas de aceitar uma situação profissional abaixo das suas qualificações e com menor remuneração. A Maria cai numa depressão profunda; a Ana sente-se radiante.

Estranho? E, no entanto, é isto que acontece, junto com as várias reacções intermédias e mesmo muito diferentes, justificado apenas pelo facto de que cada um de nós traz uma bagagem psicológica diferente: diferentes aprendizagens passadas, diferentes percursos e conhecimentos, diferentes contextos de valores pessoais, etc. Face a um qualquer acontecimento, julgamos que estamos a reagir de uma forma directa e evidente ao acontecimento em si, mas estamos, de facto, a reagir àquilo que é a forma como esse acontecimento foi interpretado, digerido, encaixado dentro de nós. 

 
A Maria, por exemplo, pode ter-se sentido esmagada por sentimentos de falta de valor pessoal, de incapacidade de gerir financeiramente a sua vida, assaltada por histórias de insucesso profissional ou académico que tiveram desfechos infelizes.

A Ana pode ter sentido que tinha a oportunidade de ganhar tempo de qualidade para a si, para a família e amigos, pelas menores exigências profissionais e contar com exemplos conhecidos ou situações passadas na sua vida que lhe dão tranquilidade para acreditar que é possível encontrar soluções adequadas para aspectos mais práticos de uma gestão quotidiana de maior restrição orçamental e, sobretudo, para repor a sua carreira futura na primeira oportunidade.

 
Ignorarmos isto, porque é assim que estamos programados para fazer, é perdermos um fundamento importante da nossa liberdade pessoal. Assumirmos automaticamente que estamos bem, porque a vida está bem, e mal porque a vida corre mal, é ignorarmos que temos uma palavra a dizer, e que é essa palavra que determina a resposta que podemos dar, quando nos perguntam “Como está?”. E a resposta tanto pode ser “Bem! Estou a conseguir reorganizar-me e a tentar encontrar formas diferentes de reagir”, como “Esta semana foi péssima, porque ainda não consegui descobrir como vou reagir a isto de uma forma útil”.

Nas duas versões, a pessoa que responde está, na verdade, a dizer: “Eu sou o centro incontornável da minha vida”. E isso é muito bom prognóstico quanto à nossa capacidade para surfar as ondas da vida.
 

Por isso, pergunto-lhe, agora: “Então, como está”? Dê a si próprio o luxo de um minuto de reflexão sobre como pode responder estando no centro da sua vida e repare no que pode mudar.

Image and video hosting by TinyPic[Madalena Lobo é Diretora Geral da Oficina de Psicologia. Para saber mais sobre este projeto visite www.oficinadepsicologia.com ou http://www.facebook.com/oficinadepsicologia]

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close