Fitness & Bem-estar

Oficina da Psicologia: Gerir o stress e a ansiedade

André tem 38 anos, está noivo e trabalha como consultor numa multinacional. Chega à minha consulta com queixas físicas como palpitações, aperto no peito e na garganta, tonturas.
Versão para impressão
André tem 38 anos, está noivo e trabalha como consultor numa multinacional. Chega à minha consulta com queixas físicas como palpitações, aperto no peito e na garganta, tonturas. Depois de ter consultado um médico que diagnosticou o seu caso como sendo de stress, resolveu procurar ajuda na psicoterapia. Dizia estar numa fase muito complicada, pois sentia que as exigências eram demasiado para a sua capacidade.

por Fabiana Andrade, Psicóloga Clínica

 
Image and video hosting by TinyPic
 Sentia-se esgotado, os preparativos para o casamento já eram uma fonte de aborrecimento em vez de trazerem felicidade. No trabalho o seu rendimento estava baixo e essa era a sua maior preocupação. Exibia os sintomas físicos típicos de ansiedade, no entanto, não tinha a menor consciência de como a sua ansiedade estava a funcionar.

André sempre foi extremamente exigente consigo mesmo e com os outros. Filho de pai militar e mãe professora, habituou-se a que os bons resultados fossem sinónimos de afeto, enquanto qualquer coisa diferente era sinónimo de deceção, castigos, sermões e por vezes até mesmo umas palmadas. Assim, nunca percebeu os seus sinais de desgaste e exigia o máximo independentemente dos próprios recursos. Começou a desrespeitar-se sistematicamente, levando o corpo, a mente e as emoções a um estado de total exaustão.

O facto de estar a ser repreendido, quer no trabalho, quer pela noiva, aumentava ainda mais a sensação de culpa e de estar a dececionar todos à sua volta.

A utilização do 'mindfulness' foi fundamental para que o André passasse a perceber como funcionava. Este método consiste em praticar uma atitude de atenção plena (por exemplo através da meditação e da atenção à respiração), uma estratégia treinada para que a mente se mantenha no 'aqui e agora', com uma capacidade de observação não avaliativa. É uma abordagem científica, ainda que beba a sua origem às tradições de meditação budista. 

 

Após 12 sessões baseadas em exercícios de 'mindfulness' e em trabalhos de casa, o André passou a identificar os seus recursos a cada dia (se estava cansado, se estava doente, se estava feliz ou triste, se tinha dormido bem ou não) e passou a adaptar as suas expectativas tendo em conta os recursos existentes, em vez de um ideal inalcançável.

'Mindfulness': Mais clareza sobre a mente e o corpo

Aprendeu a identificar a “voz exigente e injusta” que surgia constantemente na sua mente, e passou a conseguir interrompê-la, permitindo que uma forma de estar mais saudável e justa ganhasse espaço. Conseguiu, a cada momento, encontrar estratégias de relaxamento e de gestão da ansiedade, deixando de estar refém das manifestações físicas que as suas tensões provocavam.


No trabalho, tudo e todos eram altamente exigentes. Horas extra eram o habitual, prazos irreais, pressão por todo o lado. André começou a aprender a respirar antes de se “deixar levar na onda”. Passou a sentir-se mais calmo, mais claro, mais feliz consigo mesmo, e por isso mais produtivo. Notava que trabalhava melhor, cumpria os objetivos, sem estar muito ansioso ou stressado. Dizia muitas vezes que tudo passou a estar mais fácil.

O 'mindfulness' aumenta a energia, a clareza, a capacidade de memória e de concentração. Além disso, aumentando a clareza sobre o que se passa momento a momento dentro de nós poderemos respeitar melhor as nossas necessidades, melhorando substancialmente o nosso bem-estar.

Antes de praticar 'mindfulness', o André relatava que, quando estava a trabalhar, por vezes nem se lembrava de comer ou de ir à casa de banho.


Estes “esquecimentos” ou desrespeitos têm consequências graves, como a quebra de energia. Ao quebrar a sua energia e ao estar menos produtivo, deixava entrar pensamentos críticos sobre si mesmo, em vez de observar o que estava a acontecer e a regular a situação. Por sua vez, estes pensamentos críticos ainda minavam mais o seu bem-estar, contribuindo para que o ciclo negativo fosse interminável.

O 'mindfulness' permite que tenhamos clareza sobre o que se passa dentro e fora de nós. Nos pensamentos, no corpo, na emoção e na nossa interação com o que nos rodeia. Esta observação é feita sem julgamento, e a clareza aumenta o poder que temos sobre os nossos processos e sobre a nossa vida. Tudo fatores que contribuem para um maior bem-estar, maior produtividade e rendimento, maior capacidade de decisão, entre outros benefícios.

A história do André ilustra bem como uma pessoa apanhada nas redes das exigências do dia a dia se pode perder, arriscando a ficar doente, perder pessoas importantes, perder o emprego, sem nunca se ter dado conta do que estava realmente a acontecer.

_____________________________________________

 
Para saber mais sobre este projeto visite www.oficinadepsicologia.com ou http://www.facebook.com/oficinadepsicologia

Image and video hosting by TinyPic

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close