Em Destaque Nutrição

Nuno Palas: Obesidade infantil

Estarão as famílias portuguesas a mudar?
Versão para impressão

por Dr. Nuno Palas, nutricionista

A obesidade é um tema urgente na nossa sociedade: todos sabem o que é, mas poucos são os que agem em concordância com esse conhecimento, principalmente no que toca às crianças.

Os números deste flagelo são graves e assumem um tom premonitório nefasto para a nossa sociedade. Tendo por base um estudo de referência mundial, o COSI Portugal 2016 (Childhood Obesity Surveillance Initiative), 30,7% das crianças portuguesas entre os 6 e os 8 anos apresentam excesso de peso e 11,7% são obesas.

Sabe-se hoje que, indiretamente, o peso e, diretamente, os hábitos alimentares e estilos de vida saudáveis são fundamentais para prevenir as doenças que mais matam, principalmente as cardiovasculares e alguns cancros.

Sabe-se ainda que cada vez mais doenças crónicas aparecem em idades mais jovens, como por exemplo, a diabetes mellitus e a Hipertensão Arterial.

Sabe-se que os hábitos alimentares são construídos desde tenra idade, aproximadamente e com alguma variabilidade até aos 6 anos. Por isso, é mesmo necessário colocar em prática o ditado “De pequenino se torce o pepino”.

Por tudo isto, a obesidade infantil é já um problema sério, mas ganha relevo quando olhamos para ele como a “bola de cristal” para ver o futuro, com artes de adivinhação que as estatísticas facilmente demonstram não ser um exercício de hipóteses mas de certezas.

Se assim é, urge corrigir e construir sociedades que continuem a aumentar a esperança média de vida, com mais saúde e qualidade de vida. É isto que tem acontecido na última década.

Olhando para este mesmo COSI 2016 e não obstante o ainda mau cenário e a nossa má posição face à Europa é inegável que:

1. De 2008 para 2016 o excesso de peso nas crianças decresce 7,2% e a obesidade 3,6%;
2. Este decréscimo nacional é uma realidade em todo o país;
3. O maior decréscimo acontece nos Açores (15,6%), região europeia com uma das maiores taxas de obesidade infantil e que sofreu um forte investimento público na dotação dos centros de saúde de nutricionistas, e, com estes, novas políticas de educação alimentar, que têm surtido resultados fantásticos;
4. A prática de atividade física, apesar de insuficiente, também melhorou.

Ou seja, vemos uma série de fatores a melhorar e um investimento público que, quando foi feito, teve repercussão francamente positiva como aconteceu nos Açores.

Por isso, se o seu filho tem excesso de peso ou é obeso, incentive-o, faça atividade física com ele, demonstre com exemplos como deve ser alimentação, se não tem hipótese de lhe fazer as refeições em casa, obrigue-o a fazer na escola (terá um ambiente mais controlado) e se precisar também de perder peso, demonstre-lhe que é capaz de perder!

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close