Saúde

Novos compostos podem inibir aumento de tumores

Um projeto multidisciplinar coordenado pelo Centro de Química da Universidade do Minho (UMinho) está a desenvolver novos compostos para ensaios clínicos e posterior aplicação como fármacos que inibam o crescimento dos tumores e a vascularização.
Versão para impressão
Um projeto multidisciplinar coordenado pelo Centro de Química da Universidade do Minho (UMinho) está a desenvolver novos compostos para ensaios clínicos e posterior aplicação como fármacos que inibam o crescimento dos tumores e a vascularização (processo que fornece oxigénio e nutrientes às células tumorais). Além disso, as soluções em causa poderão também melhorar o combate às metástases.
 
Em comunicado, a UMinho explica que a investigação em causa está a ser coordenada por Maria João Queiroz, do Centro de Química daquela universidade, na área da química orgânica, em articulação com especialistas de química computacional do Instituto Politécnico de Bragança e de biologia celular e molecular da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto. 
 
De acordo com a especialista, os compostos em causa destinam-se a combater a angiogénese tumoral, processo de vascularização responsável por “alimentar” as células tumorais, bem como a impedir a progressão dos tumores.
 
A investigação “centra-se na inibição de recetores membranares de fatores de crescimento celular, de tirosina cinase, envolvidos no crescimento e diferenciação tanto de células tumorais, como de células endoteliais”, explica Maria João Queiroz.
 
Segundo a responsável, “ao inibir estes recetores nos dois tipos de células estamos a evitar que o tumor cresça e vascularize”. Em complemento, o tratamento “pode ser dual, tratando o tumor e evitando a metástase”. 

Objetivo é levar os compostos à fase de testes clínicos
 

A diretora do Centro de Química da UMinho frisou que a obtenção de novos compostos, completamente caraterizados, tem por objetivo a entrada nos exigentes testes clínicos da indústria farmacêutica. 
 
No entanto, “tudo depende também da toxicidade dos compostos”, já que alguns “apresentam concentrações de inibição na ordem dos 10 nanoMolar, o que é considerado um resultado excelente, e se estes compostos não forem tóxicos, têm uma grande potencialidade para serem aplicados na terapêutica”, afirmou.
 
Neste caso, esclareceu Maria João Queiroz, poderão depender apenas dos testes farmacológicos, que determinarão a sua utilização clínica, pois “nestas áreas relacionadas com o cancro é de todo o interesse desenvolver novos e eficazes fármacos com baixa toxicidade”. 
 
Este projeto científico, do qual a UMinho é a instituição proponente, tem financiamento da FCT – Fundação para a Ciência e Tecnologia e a publicação conjunta dos resultados finais acontecerá até final do ano.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close